Tamanho do texto

Presidente eleito afirma que está interessado na tecnologia de Israel; encontro entre os dois acontece em um contexto em que Bolsonaro defende a polêmica transferência da embaixada brasileira de TelAviv para Jerusálem

Premiê de Israel, Benjamin Netanyahu chegou ao Rio hoje e é presença confirmada na posse presidencial de Jair Bolsonaro
Kobi Gideon/GPO
Premiê de Israel, Benjamin Netanyahu chegou ao Rio hoje e é presença confirmada na posse presidencial de Jair Bolsonaro

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, se reúne na manhã desta sexta-feira (28) com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, no Rio de Janeiro. Em sua conta do Twitter, Bolsonaro afirmou que os países vão discutir "novos rumos". O israelense também ficará no Brasil para a posse do presidente eleito, no dia 1º de janeiro, em Brasília.

Leia também: PF abre inquérito para investigar suposta ameaça terrorista à posse de Bolsonaro

Jair Bolsonaro e Netanyahu almoçam no Forte de Copacabana. No evento, também estarão presentes os futuro ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo e Fernando Azevedo, da pasta da Defesa. Nas redes sociais, o presidente eleito afirmou que as expectativas para o encontro "são as melhores". 

Bolsonaro também disse que está interessado na tecnologia de Israel e que não há razão para criticar o encontro entre os dois países, "muito menos quando a crítica vem de quem nada fez, só destruiu e roubou o país", disse, fazendo referência a oposição. 





Netanyahu  chegou ao Brasil pela manhã. Ele vem no momento em que Bolsonaro discute a  transferência da Embaixada do Brasil em Israel de TelAviv para Jerusalém. O primeiro país a adotar a mudança foi os Estados Unidos. A possível decisão gerou polêmica pois Jerusalém é um território disputado por questões políticas e religiosas entre judeus e muçulmanos.

A cerimônia de posse do próximo presidente do Brasil contará com a presença de  12 chefes de Estado ou de governo. Entre os nomes confirmados estão os do presidente boliviano Evo Morales, Marcelo Rebelo, de Portugal e Sebastían Piñera, presidente do Chile. 

Nomes importantes e muito citados como aliados por Jair Bolsonaro não estarão presentes. São os casos de Donald Trump, dos Estados Unidos, e Mauricio Macri, da Argentina. No entanto, os dois países enviarão representantes. Os presidentes da Venezuela, Cuba e Nicarágua foram desconvidados para a cerimônia

*Com informações da Agência Brasil