Tamanho do texto

Futuro ministro Ernesto Araújo informou, pelo twitter, que nenhum aliado de Daniel Ortega está será recebido na cerimônia de posse de Jair Bolsonaro

Daniel Ortega foi desconvidado da cerimônia de posse de Jair Bolsonaro no dia 1º de janeiro
Divulgação
Daniel Ortega foi desconvidado da cerimônia de posse de Jair Bolsonaro no dia 1º de janeiro


Depois de representantes de Cuba e Venezuela serem desconvidados  para a cerimônia de posse do presidente Jair Bolsonaro, neste domingo (23) o futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, confirmou que o presidente da Nicarágua também não será recebido no dia 1º de janeiro. Daniel Ortega vive pressão política e popular no país da América Central.

Leia também: Cuba promove abertura de mercado, mas mantém socialismo em nova Constituição

“A posse do presidente Bolsonaro marcará o início de um governo com postura firme e clara na defesa da liberdade. Com esse propósito e frente às violações do regime de Daniel Ortega contra a liberdade do povo da Nicarágua, nenhum representante desse regime será recebido no evento do dia 1°”, escreveu Ernesto Araújo no seu perfil do Twitter.

A Nicarágua vive uma onda de protestos contra o presidente, além de conflitos, greves e centenas de confrontos violentas da polícia com a população. A maioria pede a saída de Ortega do poder.

A crise vivida no país é considerada a maior desde 1979, quando estourou a Revolução Sandinista que durou até 1990 com participação, inclusive, do atual presidente nicaraguense.

Leia também: Esplanada dos Ministérios fica fechada durante o domingo para ensaio da cerimônia de posse

Ortega foi eleito presidente pela primeira vez em 1984. Após seguidas derrotas, voltou ao poder em 2011 e continua como principal líder do país desde então. Na Nicarágua não existe limite de mandados consecutivos, o que para muitos, é antidemocrático.

O discurso do próximo governo ao desconvidar representantes do país caribenho é o mesmo utilizado quando também foram cancelados os convites a Cuba e Venezuela. Ernesto Araújo e Jair Bolsonaro alegam que não há democracia nestes países.

O curioso é que outros países que vivem sob ditadura, como Arábia Saudita, por exemplo, devem ter representantes na cerimônia de posse do dia 1º de janeiro.

São esperadas cerca de 500 mil pessoas na cerimônia do primeiro dia do ano. Entre amigos e parentes de Bolsonaro, estarão líderes de Estado e população. Daniel Ortega , convidado anteriormente, não tinha confirmado presença até este domingo (23).

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.