Tamanho do texto

Futuro secretário-geral da Presidência garante que casos jurídicos dos ministros serão analisados por Jair Bolsonaro, que exige ficha limpa

Gustavo Bebianno diz que apenas ficha limpa tem espaço no governo
Rafael Carvalho/Governo de Transição
Gustavo Bebianno diz que apenas ficha limpa tem espaço no governo


Futuro ministro da Secretaria-Geral da Presidência , Gustavo Bebianno voltou a afirmar que “não terá espaço no governo para quem não for ficha limpa”. Um dos ‘braços-direitos’ de Jair Bolsonaro, o ex-presidente do PSL garante que qualquer denúncia contra ministros e secretários serão investigadas e se for provado crimes, imediatamente o responsável será afastado.

Leia também: General será número dois de Bebianno na Secretaria-Geral da Presidência

“O que eu posso dizer é que nas diretrizes básicas do governo não haverá espaço para quem não for ficha limpa . Não acho que seja o caso de qualquer futuro ministro. Isso vai ser apreciado oportunamente”, afirmou o futuro secretário-geral da presidência.

Bebianno diz que acredita na idoneidade de Ricardo Salles , futuro ministro do meio ambiente que na última quarta-feira (19) perdeu os direitos políticos após denúncias de improbidade administrativa durante o período em que exerceu o cargo de secretário de meio ambiente em São Paulo.

Cabe recurso e como a condenação foi em primeira instância, o próximo ministro do meio ambiente ainda não é considerado um ficha suja.

Leia também: Candidatos ficha-suja estão "fora do jogo democrático", diz Fux

“Vou ter acesso a documentação, ao processo. Não posso afirmar nada agora e tenho certeza que tudo vai se esclarecer e a verdade virá à tona”, disse o futuro secretário-geral de governo.

Este não foi a primeira vez que um membro do alto escalão do próximo governo precisou comentar sobre as polêmicas jurídicas dos futuros ministros. As escolhas de Luiz Henrique Mandetta (Saúde), suspeito de fraudes em licitação, e de e Onyx Lorenzoni (Casa Civil), que assumiu que já recebeu doações de campanha via caixa 2, também foram contestadas com o discurso de Bolsonaro.

Nenhum dos escolhidos para os ministérios, porém, é ficha suja . A lei  torna inelegível por oito anos um candidato que tiver o mandato cassado, renunciar para evitar a cassação ou for condenado por decisão de órgão colegiado, mesmo que ainda exista a possibilidade de recursos.

Escolhido para a Secretaria-Geral de Governo, Gustavo Bebianno é uma espécie de porta-voz do presidente eleito Jair Bolsonaro. O advogado foi presidente do PSL durante a campanha - cargo que agora pertence ao deputado federal Luciano Bivar - e sempre foi defensor da Lei da Ficha Limpa .