Tamanho do texto

Presidente eleito participa, nesta segunda, da inauguração do 3º Colégio da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro Percy Geraldo Bolsonaro; entenda

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, vai homenagear o seu próprio pai com a inauguração de um colégio militar no Rio
Reprodução/Twitter
O presidente eleito, Jair Bolsonaro, vai homenagear o seu próprio pai com a inauguração de um colégio militar no Rio

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), vai participar, nesta segunda-feira (17), da inauguração do 3º Colégio da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro Percy Geraldo Bolsonaro. O nome do colégio militar, localizado em Caxias, é uma homenagem ao pai do presidente eleito. 

Leia também: Retrospectiva 2018 - Com sangue, suor e lágrimas: as eleições mais polêmicas da história do Brasil

A ideia foi aprovada em votação simbólica – ou seja, sem sem a declaração de voto individual – no último dia 6 de dezembro, pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O projeto de lei que propõe a homenagem por meio da nomeação do colégio militar é de autoria do deputado estadual Rosenverg Reis (MDB).

A proposta chegou a ter votos contrários da bancada do Psol, mas, aprovada, seguiu para a sanção do governador em exercício no Rio de Janeiro, Francisco Dornelles (PP). 

Rosenverg celebrou a aprovação, dizendo que se trata de uma homenagem a um "grande homem, trabalhador". No texto de sua autoria, porém, o deputado cita que Percy foi o pai de Bolsonaro e que os seus netos também são políticos – não esclarecendo o motivo do tributo.

Esse projeto de lei já havia sido retirado de pauta duas vezes, sob críticas da oposição, que chegou a tratá-lo como "puxa-saquismo". No dia da sua aprovação na Alerj, inclusive, Flávio Serafini (Psol) se referiu a atitude como "peculiar" por não se tratar "de um grande estadista" ou de alguém "importante para a história brasileira."

O convite para Jair Bolsonaro comparecer ao evento de inauguração foi feito pelo senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) – filho do presidente eleito – e o prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis (MDB). 

Leia também: "Não há lugar para Nicolás Maduro" na posse de Bolsonaro, diz futuro ministro

Percy Geraldo Bolsonaro morreu em 1995. Embora o presidente eleito exalte a ditadura militar, seu próprio pai foi fichado por ela – o que se destaca em sua biografia. O caso consta em documentos oficiais, que relatam monitoramento a Percy por parte do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) e do Serviço Nacional de Informação (SNI).

Além disso, na biografia de Jair, escrita pelo seu filho Flávio, há um breve relato sobre o avô, onde o neto conta que ele fazia obturações, dentaduras e extraía dentes, apesar de não ter formação em odontologia. Ele foi preso pelo exercício ilegal da profissão, mas a detenção é descrita na publicação como perseguição política. Em 1975, Percy foi absolvido.

Leia também: No Twitter, Bolsonaro diz que seu governo não debaterá pena de morte

Depois da inauguração do colégio militar , Bolsonaro deve ir para Brasília. Ainda não está clara a data e nem confirmada a viagem, mas o presidente eleito dá sinais de que quer seguir trabalhando com a sua equipe de transição, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), na semana que precede as festas de fim de ano.

* Com informações da Agência Brasil.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.