Tamanho do texto

Futuro ministro Ernesto Araújo, afirmou que o presidente da Venezuela não foi convidado para a posse de Bolsonaro e pediu que países não o apoiem

Ernesto Araújo diz que presidente da Venezuela não foi convidado para a posse de Bolsonaro
Rafael Carvalho/Governo de Transição
Ernesto Araújo diz que presidente da Venezuela não foi convidado para a posse de Bolsonaro




O futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, não foi convidado para a posse de Bolsonaro, que acontecerá no dia  1º de janeiro, em Brasília. A declaração foi feita neste domingo (16) através das redes sociais de Araújo.

Leia também: No Twitter, Bolsonaro diz que seu governo não debaterá pena de morte

De acordo com uma publicação no Twitter do futuro ministro, o presidente da Venezula não recebeu convite para a posse de Bolsonaro visto que "não há lugar para Maduro numa celebração da democracia e do triunfo da vontade popular brasileira". Ele também disse que a decisão foi tomada em "respeito ao povo venezuelano".

Para Araújo, este e o momento em que "todos os países do mundo devem deixar de apoiá-lo e unir-se para libertar a Venezuela ". Confira o post:




A posse do presidente eleito deve contar com a presença de chefes de Estado de vários países, principalmente dos vizinhos e sul-americanos, que costumam ser convidados para a cerimônia brasileira.

Leia também: Bombardeiros russos aterrissam na Venezuela e dão alerta de corrida armamentista

Posse de Bolsonaro não terá Maduro, mas Venezuela tentou aproximação com o Brasil


No dia seguinte à vitória de Bolsonaro nas urnas, o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, tentou aproximação com o presidente eleito. Arreaza escreveu, também no Twitter, que Maduro parabenizava Brasil pelas eleições e pedia que o presidente eleito retomasse "o caminho das relações diplomáticas de respeito" com a Venezuela.

"O governo bolivariano aproveita a ocasião [eleição de Bolsonaro] para exortar o novo presidente eleito do Brasil a retomar, como países vizinhos, o caminho das relações diplomáticas de respeito, harmonia, progresso e integração regional, pelo bem-estar dos nossos povos", disse em nota. 

Leia também: Na Venezuela, inflação dos últimos 12 meses ultrapassa 1.000.000%

A posse de Bolsonaro acontecerá no dia 1º de janeiro de 2019.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.