Tamanho do texto

Filho de Jair Bolsonaro usou as redes sociais para negar irregularidade e dizer que é quem mais está interessado na conclusão do Ministério Público

Flávio Bolsonaro nega que tenha feito algo de errado no caso das movimentações bancárias de seu ex-assessor
LG Soares/ Agência Alerj
Flávio Bolsonaro nega que tenha feito algo de errado no caso das movimentações bancárias de seu ex-assessor


Após alguns dias de silêncio e apenas negativas, o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) usou as redes sociais para dar a sua versão sobre a investigação do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que identificou movimentações financeiras suspeitas de seu ex-assessor Fabrício Queiroz. Segundo o órgão, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão através de dinheiro em sua conta bancária. Flávio garante que não cometeu qualquer erro.

Leia também: Bolsonaro está no caminho certo para 75% dos brasileiros, aponta CNI/Ibope

“Não fiz nada de errado, sou o maior interessado em que tudo se esclareça pra ontem, mas não posso me pronunciar sobre algo que não sei o que é, envolvendo meu ex-assessor. A mídia está fazendo uma força descomunal para desconstruir minha reputação e tentar atingir Jair Bolsonaro”, escreveu  Flávio Bolsonaro em sua página no Facebook.

O deputado estadual aproveitou para dizer que gostaria que Fabrício Queiroz esclarecesse o caso de uma vez por todas, mas o mesmo já afirmou que só dará sua versão ao Ministério Público.

Leia também: Moro diz que não cabe a ele dar explicação sobre ex-assessor de Flávio Bolsonaro

“Deve ser esclarecido por ele, que tomou a decisão de não falar com a imprensa e somente falar ao Ministério Público. Isso é ruim pra mim, mas não tenho como obrigá-lo”, continuou o filho de Jair Bolsonaro .

Essa  não foi a primeira vez que o filho de Jair Bolsonaro se pronunciou sobre o caso, que vem lhe envolvendo e também à sua família. Na última quinta-feira (6), Flávio também publicou na mesma rede social uma mensagem que dizia que Queiroz trabalhou com ele por anos e que sempre fora de sua confiança. 

"Fabricio Queiroz trabalhou comigo por mais de dez anos e sempre foi da minha confiança. Nunca soube de algo que desabonasse sua conduta", escreveu. "Em outubro foi exonerado, a pedido, para tratar de sua passagem para a inatividade. Tenho certeza de que ele dará todos os esclarecimentos", concluiu.

Por meio da Operação Boca de Onça, braço da Lava Jato que investiga a atuação de deputados estaduais do Rio de Janeiro com corrupção, o Coaf suspeitou de duas movimentações bancárias de Fabrício Queiroz: a entrada de R$ 600 mil e a saída dos mesmos R$ 600 mil em um curto período.

No relatório, consta que as movimentações coincidem com as datas de pagamentos dos salários de Flávio Bolsonaro pela Alerj.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.