Tamanho do texto

Partido alega que um empresário de Santa Catarina teria forçado seus funcionários a votar no presidente eleito; tribunal rejeitou por unanimidade

O TSE decidiu arquivar o pedido de cassação de Bolsonaro e Mourão
Rafael Carvalho/Governo de Transição
O TSE decidiu arquivar o pedido de cassação de Bolsonaro e Mourão

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nessa terça-feira (12), por unanimidade, arquivar o pedido do PT para cassar a candidatura do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e seu vice, o general Hamilton Mourão. O partido da oposição acusou a chapa vencedora de abuso de poder econômico. 

Leia também: PT entra com ação no CNJ para anular exoneração de Sérgio Moro como juiz

Na ação, a coligação O Povo Feliz De Novo, que inclui o PT, PCdoB, e PROS, pede a cassação de Bolsonaro e seu vice alegando que um empresário de Santa Catarina teria forçado seus funcionários a votarem no presidente eleito, o que pode ter desequilibrado as eleições. O TSE rejeitou por unanimidade.

Segundo os partidos, Denisson Moura de Freitas, dono da empresa de ar-condicionados Komeco, teria pedido que os funcionários trabalhassem usando camisetas e adesivos de apoio a Bolsonaro, o que configura abuso de poder econômico. 

Ao julgar o caso, o relator, ministro Jorge Mussi, considerou que não há provas suficientes para condenar o empresário por abuso de poder. Ele também afirmou que Denisson de Freitas apenas convidou os funcionários a participar da campanha, e não fez ameaça àqueles que não concordassem.

Leia também: "Foi muito gostoso", diz Bolsonaro a tucanos sobre ter derrotado PT

“Não configura prática abusiva o engajamento de empresário na campanha de determinado candidato mediante o encaminhamento de mensagem a seus funcionários, no qual se limita a convidá-los a participar de ato de campanha, sem exteriorizar ameaças ou retaliações aos que não aderirem à iniciativa”, afirmou. 

Durante o julgamento, o advogado Marcelo Schmidt, representante da coligação do PT , defendeu a ação e disse que houve várias denúncias durante o processo eleitoral sobre coações de empresários para influenciar trabalhadores a favor do presidente eleito.

"Quando um empresário coage seus funcionários para que votem, apresentem tempo de seu dia, dinheiro para compra de camisetas, compra de adesivos e outras formas, são uma forma de mascarar um abuso de poder econômico”, disse.

O Ministério Público Eleitoral (MPE) também já havia pedido o arquivamento da ação por considerar que não houve distribuição de camisetas e adesivos. O MPE também alega que a campanha de Bolsonaro não tinha conhecimento da ação do empresário. 

Leia também: Bolsonaro diz que vai propor reforma no sistema eleitoral já em 2019

Na semana passada, o TSE também negou outro pedido do PT para cassar a chapa. O partido alega que o empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan, também teria coagido seus funcionários a votarem em Bolsonaro  "sob ameaças de fechamento de lojas e dispensa".  No entanto, o ministro Edson Fachin suspendeu a análise do caso.

* Com informações da Agência Brasil