Tamanho do texto

Ministro da Transição disse que o próximo presidente fará valer uma vontade da população, que foi contrária ao desarmamento em referendo de 2015

Onyx Lorenzoni disse que pensamento do próximo governo sobre posse de armas não muda após ataque em Campinas
Rafael Carvalho/Governo de Transição
Onyx Lorenzoni disse que pensamento do próximo governo sobre posse de armas não muda após ataque em Campinas


Principal porta-voz do próximo governo e ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni negou que o tiroteio provocado por um homem em uma catedral de Campinas , no interior de São Paulo, mude a posição do presidente eleito Jair Bolsonaro sobre a liberação do posse de armas de fogo.

Leia também: Onyx diz que sempre combateu corrupção e que não teme "canetada" de Bolsonaro

“O presidente pretende respeitar a vontade expressa pela maioria da população no último plebiscito do desarmamento, o direito à legítima defesa. Vamos respeitar isso dentro da lei”, explicou Onyx Lorenzoni , citando o referendo de 2005 em que os brasileiros votaram contra o desarmamento e, portanto, a favor da liberalização da posse de armas no País.

Principal defensor do uso de armas de fogo como legítima defesa durante sua atuação parlamentar, Bolsonaro prometeu fazer valer a lei. O referendo de 2005 não entrou em vigor por ter sido vetado pelo então presidente Lula.

A discussão sobre a posse de armas de fogo reacendeu nesta terça-feira (11) depois que um analista de sistemas assassinou quatro pessoas e feriu outras quatro antes de se suicidar dentro da Catedral Metropolitana de Campinas . Euler Fernanda Grandolpho, de 49 anos, portava uma pistola automática e um revólver calibre 38 e disparou mais de 20 tiros em direção a pessoas que rezavam na igreja.

Leia também: Onyx Lorenzoni diz que não vai distribuir cargos a partidos em troca de apoio

 Em seus discursos, Bolsonaro sempre ressaltou que “o cidadão de bem tem o direito de se defender dos bandidos que andam fortemente armados pelas ruas”. Por isso, o político do PSL defende que os brasileiros possam comprar os objetos com poucas restrições, como comprovar que não possui antecedente criminal e está e plenas condições mentais e psicológicas.

No Estatuto do desarmamento é deixado claro a diferença entre porte e posse de armas de fogo. A posse permite que o cidadão tenha arma dentro de sua residência. Já o porte permite a pessoa a deixar sua casa com a mesma.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas