Tamanho do texto

Governador eleito manteve coronel Vieira Salles no Comando-Geral da PM e escalou dupla de especialistas no combate a facções para chefiar Polícia Civil

Governador eleito em São Paulo, João Doria (PSDB), com os integrantes de sua nova cúpula da Segurança Pública
Divulgação/Assessoria de Imprensa de João Doria - 30.11.18
Governador eleito em São Paulo, João Doria (PSDB), com os integrantes de sua nova cúpula da Segurança Pública

O governador eleito em São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta sexta-feira (30) os integrantes da nova cúpula da Segurança Pública do Estado. A nova estrutura da pasta, cujo comando já havia sido entregue ao general da reserva João Camilo Pires de Campos, terá secretarias executivas específicas para a Polícia Civil e para a Polícia Militar.

Leia também: Polícia de SP diz que encontrou lista com todos os membros do PCC no Brasil

O deputado estadual coronel Camilo (PSD), reconhecido por ter criado a Operação Delegada na capital paulista, será o secretário executivo da Polícia Militar durante o governo João Doria . Ele terá como comandante-geral da PM o coronel Marcelo Vieira Salles, que será mantido na função que ele já exerce desde abril.

Já a Polícia Civil terá como secretário executivo o delegado Youssef Abou Chahin, e como delegado-geral Ruy Ferraz Fontes. Os dois já atuaram em grupos de investigação contra o PCC e são especialistas no combate ao crime organizado .

Doria enfatizou que a segurança será "uma das maiores prioridades do governo" e prometeu ser "implacável" contra organizações criminosas , em especial o PCC. O tucano garantiu que as ações contra grupos que atuam dentro e fora de presídios serão adotadas sem "nenhum temor".

"Seremos implacáveis em relação às facções criminosas. Seja PCC ou qualquer outra. A orientação à  Polícia Militar e Polícia Civil será de combate ao nível máximo de todas as operações de facções criminosas no Estado de São Paulo. Em todos os âmbitos, em todas as características. E o aprisionamento de todos que representam facções criminosas em São Paulo. Do 'pequinininho' ao maior traficante", prometeu.

"Nós não temos nenhum temor das ações duras que passaremos a exercer em relação a facções criminosas. É bom que fique claro aos que são líderes e aos que pretendem ser líderes [do PCC]", complementou.

Leia também: Doria dá cargo à esposa, mas quebra tradição de 51 anos no Governo de São Paulo

O futuro secretário da Segurança Pública , general Campos, destacou que seus recém-anunciados secretários executivos atuarão como seus "substitutos naturais". "Eles serão grandes facilitadores do estabelecimento de projetos para contribuir e valorizar o sistema de segurança pública", disse.

João Doria enfatizou durante entrevista coletiva que não faltarão recursos para as ações de segurança pública no Estado, e disse que conversará com o atual ministro da Segurança, Raul Jungmann, e também buscará integração com o governo federal junto ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.