Tamanho do texto

Apesar de afirmar estar preocupado com o assunto, presidente eleito afirmou que a decisão sobre o reajuste do Judiciário cabe ao atual governo

Bolsonaro afirmou que, se fosse o presidente Michel Temer, vetaria o reajuste de 16% sobre o salário do STF
Wilson Dias/Agência Brasil - 7.11.2018
Bolsonaro afirmou que, se fosse o presidente Michel Temer, vetaria o reajuste de 16% sobre o salário do STF

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou nesta terça-feira (13) que o presidente Michel Temer “sabe o que fazer” em relação ao reajuste dos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e procuradora-geral da República. Anteriormente, Bolsonaro disse que se ele fosse o presidente da República, vetaria o reajuste .

Bolsonaro lembrou que Michel Temer tem prazo para definir a questão e indicou que não fará qualquer tipo de apelo ao atual presidente. “Ele sabe, é uma pessoa responsável, não precisa de apelo, ele sabe o que tem que fazer, se vai fazer, compete a ele”, disse o presidente eleito, após visitar o Superior Tribunal Militar (STM).

Segundo Jair Bolsonaro , o tema é assunto de preocupação no governo eleito. “Está nas mãos do Temer. É motivo de preocupação, já estamos com um déficit enorme para o ano que vem e é mais um problema que a gente vai ter.”

O aumento foi aprovado no último dia 7 pelo Senado e reajusta de R$ 33,7 mil para R$ 39 mil, gerando efeito cascata sobre os funcionários do Judiciário e abre caminho também para um possível aumento dos vencimentos dos parlamentares e do presidente da República.

No último dia 10, Bolsonaro afirmou que, se fosse o presidente Temer, vetaria o reajuste de 16% sobre o salário dos magistrados e da Procuradoria-Geral da República com base na Lei de Responsabilidade Fiscal. O reajuste foi considerado “inoportuno” por Bolsonaro, entretanto o Senado aprovou o aumento.

Leia também: PSOL entra na Justiça e Novo cria petição pedindo veto de reajuste do STF

"Agora, está nas mãos do presidente Temer, não sou o presidente Temer, mas se fosse, acho que você sabe qual seria minha decisão. Não tem outro caminho, no meu entender, até pela questão de dar exemplo. Eu falei antes da votação que é inoportuno, o momento não é esse para discutir esse assunto. O Brasil está numa situação complicadíssima, a gente não suporta mais isso aí, mas a decisão não cabe a mim. Está nas mãos do Michel Temer . Eu, por enquanto, sou apenas o presidente eleito", disse em uma entrevista para a TV Record.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.