Tamanho do texto

Ex-assessor de Temer diz que "sentiu medo" e correu por entender que mala entregue por executivo da J&F tinha conteúdo ilícito, mas que não conferiu

Rocha Loures admitiu que sabia que mala que recebeu de Ricardo Saud tinha conteúdo ilícito
Reprodução
Rocha Loures admitiu que sabia que mala que recebeu de Ricardo Saud tinha conteúdo ilícito


O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures admitiu, em depoimento na última quarta-feira (7) , que sabia que a mala que recebeu de Ricardo Saud há um ano e meio tinha conteúdo ilícito. O ex-assessor de Michel Temer, porém, afirmou que nunca a abriu para verificar o que havia dentro.

A explanação contraria os advogados de defesa de Rocha Loures , que disseram que o cliente jamais soube o que teria recebido do diretor executivo da J&F no dia 28 de abril de 2017.

Leia Também: Barroso nega pedido para anular indiciamento de Temer no Decretodos Portos

Em imagens do relato do réu ao juiz da 15ª Vara Federal de Brasília, Jaime Travassos, obtidas pelo jornal O Globo , Rocha Loures diz que sentiu medo ao receber a mala e, por isso, correu.

“Quando estou saindo ele diz assim ‘Rodrigo, Rodrigo’. Eu vou até ele, aí ele pega, com esta mala na mão, diz assim ‘olha a sua mala, pega que você vai perder o avião, corre que você vai perder o avião’. Naquele momento Excelência... Eu entrei em pânico, no meio da rua, e saí correndo”, explicou o ex-assessor de Temer.

A entrega dos R$ 500 mil a Loures foi efetivada em abril do ano passado por meio do executivo da J&F Ricardo Saud, que levou o dinheiro ao então assessor da Presidência em uma pizzaria na capital paulista. O episódio foi filmado pela Polícia Federal, que fora informada sobre o evento pelo próprio Saud.

De acordo com a PGR, o valor entregue foi oferecido pelo empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, e representava apenas uma fração do montante total que a empresa pretendia pagar ao presidente Michel Temer: até R$ 38 milhões ao longo de nove meses.

Rocha Loures volta a dizer que não abriu a mala

Rocha Loures disse que desconfiava de conteúdo, mas nunca abriu a mala
Reprodução/Globonews
Rocha Loures disse que desconfiava de conteúdo, mas nunca abriu a mala


Logo após a explanação, o juiz perguntou ao ex-deputado sobre o sumiço de R$ 35 mil (de um total de R$ 500 mil), mas Rocha Loures afirmou que nunca abriu a mala e que, portanto, não tem explicação sobre o destino do dinheiro faltante.

O ex-assessor de Temer virou réu em dezembro do ano passado por corrupção passiva no caso da mala de R$ 500 mil. Na mesma denúncia, a Procuradoria-Geral da República (PGR) acusou Michel Temer de corrupção passiva, mas o prosseguimento do caso foi barrado pela Câmara dos Deputados.

 O ex-deputado chegou a ser preso preventivamente por um mês no ano passado, e foi solto por ordem do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), em julho de 2017. Desde então, cumpria uma série de medidas cautelares alternativas , como a obrigação de ficar em casa à noite, e usava a tornozeleira eletrônica. 

Rocha Loures , porém, se livrou da tornozeleira na última quinta-feira (8), já que o juiz Travassos avaliou que, com o fim da instrução do processo de corrupção passiva, era necessário "reavaliar a necessidade" de manter tais medidas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.