Tamanho do texto

Suposto pagamento teria sido feito pela Odebrecht ao senador, em troca de uma resolução no Senado para setor de portos; operação é deflagrada em SP

Senador Romero Jucá (PMDB-RR) foi acusado de receber R$ 150 mil em propina para favorecer a Odebrecht com MPs
Geraldo Magela/Agência Senado - 29.6.17
Senador Romero Jucá (PMDB-RR) foi acusado de receber R$ 150 mil em propina para favorecer a Odebrecht com MPs

Agentes da Polícia Federal deflagraram, nas primeiras horas desta quinta-feira (8), uma operação relacionada à investigação de uma suposta propina paga pela Odebrecht ao senador Romero Jucá (MDB-RR). De acordo com a apuração da PF, o pagamento teria sido feito em 2012, em troca da aprovação de uma resolução no Senado para o setor de portos – a chamada guerra fiscal nos portos brasileiros.

Leia também: MDB quer manter Presidência do Senado e não está negociando cargos, diz Jucá

Segundo a PF, no entanto, Romero Jucá não é alvo direto dessa operação. Isso porque, ao todo, são cumpridos nove mandados de busca e apreensão, todos no estado de São Paulo, como parte das investigações sobre o senador, mas ele não é diretamente abordado pelos agentes da PF hoje. 

Os alvos desta quinta-feira, que estão com os seus nomes mantidos sob sigilo, são pessoas que teriam se beneficiado da resolução aprovada no Senado. De acordo com a PF, o senador teria recebido ilegalmente, na ocasião, R$ 4 milhões da Odebrecht .

As medidas tomadas pela Polícia Federal nesta quinta-feira foram previamente autorizadas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), no inquérito 4382-STF. Apelidada de Operação Armistício , a ação tem sete mandados cumpridos na cidade de São Paulo; um em Santos; e um em Campo Limpo Paulista.

Logo após o resultado das eleições deste ano serem divulgados, Jucá atribuiu a  sua derrota nas urnas à Lava Jato e à crise humanitária que atingiu Roraima. Ao falar sobre o resultado do primeiro turno, o parlamentar lembrou que não conseguiu se reeleger por uma diferença de apenas 426 votos, ficando em terceiro lugar, atrás de Chico Rodrigues (DEM) e Mecias de Jesus (PRB), que foram eleitos.

Formado em economia, Jucá disse que agora "vai trabalhar" para "viver de salário" porque "não é rico". Ele vai voltar a atuar em sua área a partir de fevereiro de 2019, quando acaba o mandato.

Leia também: Lava Jato prende dez deputados estaduais do Rio acusados de receber 'mensalinho'

Procurada, a assessoria de Romero Jucá não respondeu de imediato a um pedido de comentário sobre a operação de hoje, assim como a assessoria da Odebrechet. 

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.