Tamanho do texto

Procuradoria-geral da República pede, ainda, o impedimento do ministro Gilmar Mendes, que foi quem mandou soltar o ex-governador tucano

Beto Richa, ex-governador do Paraná, é suspeito de corrupção
Marcelo Camargo/ABr
Beto Richa, ex-governador do Paraná, é suspeito de corrupção

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, propôs mandado de segurança ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra decisão do ministro Gilmar Mendes que revoga a prisão provisória do ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), e demais investigados da Operação Rádio Patrulha nesta segunda-feira (5). A decisão foi divulgada na terça (6).

Leia também: Irmão e primo de Beto Richa são alvos de nova fase da Lava Jato no PR

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pede que sejam restabelecidas as ordens de prisão de Beto Richa e para que Gilmar Mendes fique impedido de analisar outros pedidos de habeas corpus que tenham como fundamento a Arguição por Descumprimento de Preceitos Fundamentais (ADPF) 444, da qual foi relator. A ADPF 444 questiona a constitucionalidade da condução coercitiva para interrogatório em fase de investigação policial.

No pedido, a procuradora-geral da República diz que Richa, ao apresentar uma petição individual no âmbito da ADPF, “utilizou-se de subterfúgios processuais para, literalmente, escolher o julgador que apreciaria sua pretensão”.

Segundo Dodge, sempre que um preso provisório entender que sua prisão foi uma “condução coercitiva disfarçada”, vai provocar Gilmar Mendes por ser o relator da ADPF 444 e, sempre que o ministro entender que a prisão é “teratológica e manifestamente ilegal”, concederá o  habeas corpus  de ofício.

Leia também: Gilmar diz ser impróprio "intervenção do Judiciário" em período eleitoral

No mandado de segurança, a PGR afirma que a decisão de Mendes viola o devido processo legal e o entendimento utilizado em sua decisão acaba fazendo dele “o revisor direto e universal de todas as prisões provisórias decretadas ao redor do país”.

“O ministro relator reforçou que, sempre que julgar estar diante de prisão eivada de ‘manifesta ilegalidade ou teratologia’, conhecerá de novos pedidos de liberdade ajuizados diretamente nos autos da ADPF 444, o que, na prática, equivale a permitir que tal autoridade julgadora escolha os casos que apreciará, sejam eles oriundos de qualquer parte do país”, aponta a procuradora-geral no documento.

Na petição, a PGR pede ainda que o mandado de segurança, por prevenção, seja distribuído ao ministro Luiz Fux, escolhido para apreciar um outro mandado de segurança do MP do Paraná, também contra a decisão do ministro Gilmar Mendes, favorável a Beto Richa .

* Com Agência Brasil

Leia também: Em recado a Bolsonaro, Dodge diz que não basta reverenciar Constituição

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.