Tamanho do texto

Segundo o ministro, mudança facilitará a transição do governo Temer para o mandato de Bolsonaro; presidente eleito diz que estatal pode ser privatizada

Kassab irá trocar presidente dos Correios por general. Segundo ele, medida facilitará transição para o governo de Jair Bolsonaro
Sérgio Lima/Poder 360
Kassab irá trocar presidente dos Correios por general. Segundo ele, medida facilitará transição para o governo de Jair Bolsonaro


O presidente do PSD e atual ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou, neste sábado (3), que irá trocar o presidente dos Correios. Segundo o ministro, a decisão foi tomada para tornar a transição entre o atual governo de Michel Temer (MDB) para o próximo, do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), mais fácil. A informação foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo .

Leia também: Bolsonaro desiste de unificar ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente 

O cargo de presidente dos Correios será ocupado pelo general Juarez Aparecido de Paula e Cunha que, no momento, preside o conselho de administração da estatal. Depois da troca, o presidente em exercício, Carlos Fortner, ocupará uma diretoria dentro dos Correios, onde exercerá a função até o fim deste ano. Ao término de 2018, Fortner deixará a empresa.

Segundo o ministro, a mudança deve ocorrer nos próximos dias, “provavelmente na segunda-feira”. Ele declarou que já havia convidado o general para ocupar o cargo anteriormente, já que Cunha era um militar da área de ciência e tecnologia antes de se aposentar.

Kassab disse que fez a troca para “facilitar a transição”, já que o general conhece alguns membros da equipe de Bolsonaro e que não visa um cargo no governo de Bolsonaro. Ele também negou que a troca tenha sido combinada com o presidente eleito anteriormente.

Antes da votação do segundo turno das eleições 2018, Kassab informou que seu partido, o Partido Social Democrático (PSD) apoiaria a candidatura de Jair Bolsonaro . Na época, o ministro afirmou que não poderia apoiar Fernando Haddad (PT) por "questões locais" e disse ainda que "o PT não está maduro para voltar ao poder".

No primeiro turno, o PSD apoiou Geraldo Alckmin (PSDB), mas algumas lideranças do partido, como em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, já haviam declarado apoio ao então candidato do PSL. Depois da decisão, Kassab explicou a seus aliados que o apoio do PSD ao PSL não tinha nada a ver com a perspectiva de poder de Bolsonaro , que já estava à frente nas pesquisas de intenção de voto.

Presidente dos Correios será trocado para um melhor alinhamento com o governo de Bolsonaro, mas estatal pode acabar sendo privatizada

Mesmo com troca de presidente dos Correios, estatal pode ser privatizada no governo de Bolsonaro
Fernando Frazão/Agência Brasil - 25.10.18
Mesmo com troca de presidente dos Correios, estatal pode ser privatizada no governo de Bolsonaro


Apesar da troca do presidente dos Correios, em declarações anteriores, o presidente eleito Jair Bolsonaro disse haver possibilidade de privatização da estatal em seu governo. “Seu fundo de pensão foi implodido pela administração petista”, afirmou. “Então, os Correios, tendo em vista não fazer um trabalho daquele que nós poderíamos estar recebendo, pode entrar nesse radar da privatização”, avaliou.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.