Tamanho do texto

Generais da reserva que atuaram na campanha do presidente eleito fizeram indicações para áreas como Saúde, Segurança, Justiça e Meio Ambiente

Os outros nomes para a transição para governo Bolsonaro serão definidos pela equipe econômica
Tânia Rêgo/Agência Brasil - 25.10.18
Os outros nomes para a transição para governo Bolsonaro serão definidos pela equipe econômica

Um dos grupos que assessoraram Jair Bolsonaro (PSL) durante a campanha,  chamado "grupo de Brasília" e comandado pelos generais da reserva Augusto Heleno e Oswaldo Ferreira, já enviou uma lista com 25 nomes indicados para atuarem na transição para governo Bolsonaro.  As informações são do jornal O Estado de S.Paulo

Leia também: Conheça os prováveis futuros ministros do novo presidente eleito, Jair Bolsonaro

Os nomes que ocuparão os cargos de transição para governo Bolsonaro foram enviados ao deputado Onyx Lorenzoni (DEM), futuro ministro da Casa Civil, que deve coordenar a transição. O grupo chefiado pelos militares foi responsável por indicações em áreas como Saúde, Segurança, Infraestrutura, Trabalho, Meio Ambiente, Internacional, Justiça e Defesa. 

Entre eles já foram definidos alguns: o do professor universitário Paulo Coutinho, para ciência e tecnologia; do diretor do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) Alexandre Ywata, para meio ambiente; do consultor e coronel da reserva do Corpo de Bombeiros Luiz Blumm, para saúde e defesa; e do tenente-coronel dos Bombeiros Paulo Roberto, para a educação.

A ideia é que os generais Augusto Heleno e Oswaldo Ferreira saibam da situação de cada ministério e comandem os grupos que atuarão no centro de transição,  no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília. Lorenzoni é quem dará a palavra final sobre os nomes que ocuparão os 50 cargos disponíveis para a equipe. 

Leia também: Bolsonaro vai convidar Sérgio Moro para o Ministério da Justiça ou para o STF

Os assessores também aguardam a posição de Bolsonaro em relação aos ministérios , como o número e quais deles serão mantidos. De acordo com fontes do Estadão , o presidente eleito provavelmente irá separar os ministérios dos Transportes do de Minas e Energia. A expectativa também é de que Bolsonaro mantenha os ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura separados. 

As outras indicações serão feitas pela equipe econômica, que tem como líder o economista e futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes. O general Heleno já foi anunciado como futuro ministro da Defesa por Bolsonaro, Ferreira deverá ocupar algum cargo na área de infraestrutura. 

Os integrantes que ocuparão os cargos de transição para governo Bolsonaro devem tomar posse dois dias após serem indicados e ficam de forma temporária até dez dias após a posse do novo presidente. 

Leia também: Bolsonaro tem hoje sua primeira reunião com aliados para definir transição


    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.