Tamanho do texto

Funcionário do novo presidente usou WhatsApp para hostilizar profissionais de imprensa após pesquisa de boca de urna; em nota, assessor diz que estava "visivelmente empolgado" com a apuração e que "não quis generalizar"

Assessor de Bolsonaro hostilizou jornalistas após pesquisa de boca de urna, nesse domingo
Reprodução
Assessor de Bolsonaro hostilizou jornalistas após pesquisa de boca de urna, nesse domingo

O assessor de imprensa Carlos Eduardo Guimarães, que trabalha para o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), pediu desculpas nesta segunda-feira (29) por ter hostilizado jornalistas. A retratação se dá um dia após o assessor de Bolsonaro ter usado grupos no WhatsApp para ofender repórteres e produtores de televisão e rádio, afirmando que os jornalistas são “o maior engodo do jornalismo do Brasil”.

Leia também: Deputada do PSL pede para alunos denunciarem professores críticos a Bolsonaro

“Não estava quase empatado? Vocês são o maior engodo do jornalismo do Brasil! Lixo”, dizia o texto enviado pelo assessor de Bolsonaro . A mensagem, encaminhada pouco após às 19h desse somingo (28), foi acompanhada de uma imagem que reproduzia os resultados da  pesquisa de boca de urna, que antecipava a vitória do candidato do PSL.

Em nota, Carlos Guimarães reconheceu que agiu “de forma rude e equivocada”. O assessor justificou que estava “insatisfeito” com a cobertura jornalística acerca da agenda de Bolsonaro e, segundo ele, sua mensagem não teve a intenção de "generalizar, atacar ou desmerecer qualquer dos jornalistas".

Guimarães acrescentou ainda que esta não é a orientação do presidente eleito e que enviou a mensagem ofensiva pois estava "visivelmente empolgado com o resultado da apuração eleitoral", o que o levou a usar "palavras absolutamente inadequadas" e a "extrapolar" em sua manifestação.

"Gostaria de apresentar minhas sinceras desculpas junto aos jornalistas brasileiros, que por ventura se sentiram atingidos, no tocante ao meu excesso verbal, ontem, onde visivelmente empolgado com o resultado da apuração eleitoral usei palavras absolutamente inadequadas, extrapolando na minha manifestação. Agi de forma rude e equivocada para mostrar minha insatisfação na cobertura jornalística do cenário político nacional", disse o assessor.

Carlos Eduardo Guimarães trabalha no gabinete do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um dos filhos do agora presidente eleito. Mesmo sem ser jornalista, Guimarães atuou como assessor de Bolsonaro para relações com a imprensa ao longo de toda a campanha do candidato à Presidência.

Leia também: Fake news marcaram as eleições de 2018; relembre as 10 mais emblemáticas

*Com informações e reportagem da Agência Brasil