Tamanho do texto

Presidenciável, que teve 13 milhões de votos no primeiro turno, estava na Europa, mas veio votar; ele não tem agenda prevista com o candidato do PT

Apoio de Ciro a Haddad tem sido velado; o pedetista se limitou apenas a dizer que se posiciona contra Bolsonaro
Divulgação/PDT
Apoio de Ciro a Haddad tem sido velado; o pedetista se limitou apenas a dizer que se posiciona contra Bolsonaro

Depois de passar quase todo o período de campanha para o segundo turno das eleições 2018 em uma viagem pela Europa, Ciro Gomes (PDT) retorna ao Brasil nesta sexta-feira (26). Ele volta hoje para votar no próximo domingo (28), mas seu retorno é visto com esperança pelos apoiadores do candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad. Afinal, os petistas esperam que, nesta reta final, exista algum pronunciamento declarando o apoio de Ciro a Haddad, o que não aconteceu de fato até agora. 

Leia também: Bolsonaro tem 56% e Fernando Haddad, 44%, aponta Datafolha

Desde que o resultado do primeiro turno foi anunciado, Ciro Gomes falou pouco com a imprensa. O presidenciável, que teve 13 milhões de votos no primeiro turno, se posicionou imediatamente contra a candidatura de Bolsonaro, mas não houve, em momento algum, um claro apoio de Ciro a Haddad . Ciro viajou sem dizer quem apoiava no segundo turno e o PDT, por sua vez, assumiu uma postura de "apoio crítico" ao PT. 

Hoje, Ciro será recebido por apoiadores no aeroporto de Fortaleza, no Ceará. Ele chega pela noite e deve ser recepcionado em um ato que organizado por militantes e simpatizantes. Segundo o seu irmão, Cid Gomes, que foi eleito senador pelo Ceará, a ideia do evento é mostrar que Ciro já tem apoio popular e que já está lançado como pré-candidato à Presidência para as eleições de 2022 .

"Vamos fazer uma recepção com amigos e as pessoas que votaram nele no segundo turno. É um ato para dar apoio moral e psicológico, e lançá-lo para 2022", afirmou Cid ao jornal O Globo . Apesar da expectativa, Ciro não se pronunciou nem em suas redes sociais. Além disso, para frustração dos petistas, não há previsão de nenhuma agenda de campanha de Ciro ao lado de Haddad até domingo.

Leia também: Bolsonaro quer reforma radical na Previdência e deve descartar proposta de Temer

O candidato do PT, por sua vez, disse que espera de Ciro "uma fala dura contra o fascismo, contra o nazismo e contra a tortura". Hoje mesmo, em entrevista à rádio Super, de Minas Gerais, Haddad afirmou que tem "certeza desta fala" e que espera o apoio declarado de Ciro nas eleições 2018

"Eu, sim, espero que ele, ao desembarcar, faça uma fala dura contra o fascismo, contra o nazismo, contra tortura, contra o discurso do ódio, contra a venda do Brasil", disse. "Ciro é um patriota. Tenho certeza que ele vai fazer uma fala dura nessa reta final. E nós vamos vencer juntos. Porque não vai ser a vitória de um indivíduo. Vai ser uma vitória de um projeto de nação contra o desmonte que o Bolsonaro representa", afirmou. 

Leia também: MPF abre investigação contra Paulo Guedes por suposta fraude em fundos de pensão

O apoio de Ciro a Haddad , porém, já está bem diferente do esperado pelos militantes petistas, que aguardavam um apoio maciço do candidato do PDT neste segundo turno. Ciro não participou de nenhum ato pró-Haddad, e Cid, por sua vez, fez um discurso que viralizou na internet no qual cobrava do PT um pedido de desculpas pelos erros que cometeu, prevendo a derrota de Haddad.