Tamanho do texto

Preso desde abril de 2015 e primeiro político condenado na operação, petista deixou a cadeia nessa sexta-feira após cumprir um terço da pena

Ex-deputado André Vargas foi o primeiro político condenado no âmbito da Operação Lava Jato
Câmara dos Deputados/Renato Araújo
Ex-deputado André Vargas foi o primeiro político condenado no âmbito da Operação Lava Jato

O ex-deputado André Vargas (que se desfiliou do PT em 2014), condenado na Operação Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, ganhou liberdade após passar três anos e meio na prisão.  Primeiro político sentenciado no âmbito das investigações da maior operação de combate à corrupção no País, o ex-petista deixou o Complexo Médico Penal de Pinhais (PR) na tarde dessa sexta-feira (19).

A liberdade condicional de André Vargas foi determinada pela juíza Luciani Tesseroli Maronezi, da 2ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, devido ao fato de o ex-deputado ter cumprido um terço da pena. A magistrada também considerou que o ex-parlamentar demonstrou comportamento satisfatório e já iniciou o pagamento da indenização cobrada pela Justiça – que é de R$ 1,1 milhão.

O valor, a ser quitado em 72 parcelas de R$ 15 mil, corresponde à propina paga ao petista pelo publicitário Ricardo Hoffmann, conforme entendeu o juiz Sérgio Moro (em primeira instância) e concordaram os magistrados do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4). 

Vargas foi condenado a 13 anos, 10 meses e 24 dias de prisão por ter recebido a vantagem indevida de Hoffmann em troca de exercer influência na contratação da agência do publicitário (a Borghi Lowe) para prestar serviços para a Caixa Econômica Federal e para o Ministério da Saúde.

O ex-deputado, que chegou a ser vice-presidente da Câmara, também já foi condenado pelo juiz Moro em outras duas ações penais . As penas desses dois processos somam 10 anos e 6 meses de prisão.

André Vargas  teve o mandato como deputado cassado após o surgimento de denúncias de envolvimento do político com o doleiro Alberto Youssef.