Tamanho do texto

Petista disse que muitas das diretrizes do programa de governo de Ciro são similares às do PT; partido de Ciro ainda não definiu apoio no segundo turno

Após reunião, Haddad disse estar aberto a incorporar propostas de Ciro Gomes
Reprodução
Após reunião, Haddad disse estar aberto a incorporar propostas de Ciro Gomes

Fernando Haddad, candidato à Presidência da República pelo PT, disse nessa segunda-feira (9) que está aberto a incorporar propostas de Ciro Gomes (PDT) ao seu programa de governo. "Eu conversei ontem com o Roberto Mangabeira Unger [representante de Ciro] e disse a ele que estaria aberto a incorporar propostas que fossem compatíveis com os princípios [do PT]. E não há incompatibilidade entre os programas”, disse o candidato. 

Leia também: Haddad cumpre agenda em SP; Bolsonaro faz avaliação médica para definir campanha

O apoio às propostas de Ciro Gomes foi decidido após participar de uma reunião em que discutiu propostas e estratégias de campanha com governadores da região Nordeste, em um hotel na zona sul de São Paulo. Haddad destacou que muitas das diretrizes do programa são similares, como a soberania nacional e popular, direitos trabalhistas e direitos sociais. 

Ciro disputou a Presidência pela terceira vez e ficou em terceiro lugar no primeiro turno das eleições deste ano, com 12,47% dos votos. De acordo com Carlos Lupi, o presidente de seu partido, o PDT jamais apoiará Bolsonaro e pretende dar "apoio crítico" ao candidato petista. Ao falar sobre Ciro Gomes, Haddad, disse que o candidato do PDT "é um democrata e lutará contra o fascismo" e que suas propostas podem tornar o programa de governo mais robusto. 

Após a reunião que deu apoio às propostas de Ciro Gomes, Haddad falou sobre alguns planos de seu programa de governo

Haddad declarou que algumas diretrizes e propostas de Ciro Gomes se assemelham são compatíveis com a do programa de governo do PT
Claudio Kbene
Haddad declarou que algumas diretrizes e propostas de Ciro Gomes se assemelham são compatíveis com a do programa de governo do PT


Segundo Haddad , durante a reunião também foram discutidas propostas “sensíveis ao Nordeste”, como a questão da segurança pública e da saúde. Ele pretende colocar a Polícia Federal para atuar contra o crime organizado nacional, com a ideia de que parte grande do crime hoje tem organizações nacionais. Na área da saúde, Haddad disse que quer criar policlínicas para oferta de serviços de especialidade e cirurgias eletivas.

Leia também: Lula pediu para Haddad não visitá-lo mais, diz Gleisi Hoffmann

O candidato também falou sobre uma possível reforma na Constituição Federal. “Deixamos claro que faremos a reforma da Constituição por emenda constitucional. Não tenho nenhum problema com isso. Isso é uma maneira de dizer para a sociedade que nós estamos aqui para aperfeiçoar o nosso programa”, apontou.

Em entrevista a Rádio Guaíba , do Rio Grande do Sul, ao ser questionado se continuará seguindo os conselhos de Lula, ele reafirmou sua lealdade ao ex-presidente. “Eu não cuspo no prato que eu comi e jamais farei isso." disse o candidato.

"Se eu ficar sozinho defendendo uma posição justa, eu prefiro do que ficar com 100% defendendo uma posição injusta. Eu só cheguei ao segundo turno por defender o projeto que Lula representa." completou.  Nesta quarta-feira, segundo Haddad, o PT irá se reunir com governadores do PSB, que também oficializou apoio ao petista.

Leia também: PSB decide apoiar Fernando Haddad no segundo turno das eleições

Entre os presentes na reunião que deu apoio às propostas de Ciro Gomes,  estavam Wellington Dias, governador do Piauí; Camilo Santana, governador do Ceará; Rui Costa, governador da Bahia; Flávio Dino, governador do Maranhão. Gleisi Hoffmann, presidente do PT, e Jaques Wagner, senador eleito pelo PT na Bahia. Wagner agora é um dos coordenadores da campanha do candidato.

*Com informações e reportagem da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.