Tamanho do texto

Segundo pesquisa realizada hoje pelo Ibope, candidato do PSC lidera disputa pelo governo do estado; Paes tem 21%; Tarcísio Motta, 15%; e Romário, 9%

Advogado Wilson Witzel (PSC) subiu na reta final de campanha na eleição no Rio de Janeiro
Divulgação
Advogado Wilson Witzel (PSC) subiu na reta final de campanha na eleição no Rio de Janeiro

Pesquisa de boca de urna realizada neste domingo (7) pelo Ibope no Rio de Janeiro aponta virada surpreendente do candidato Wilson Witzel (PSC), que registrou 39% de intenções de voto entre os eleitores fluminenses.

Leia também: Ibope em São Paulo: boca de urna aponta Doria no segundo turno

A vaga no segundo turno no estado aparece indefinida, com o ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (DEM) em segundo lugar, com 21%, seguido por Tarcísio Motta (PSOL), que tem 15%. Os dois aparecem tecnicamente empatados no limite da margem de erro da pesquisa de boca de urna , que é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

O levantamento Ibope mostra ainda Romário (PSB) com 9% das intenções de voto, seguido por Índio da Costa (PSD), que tem 6%. Em levantamentos anteriores, esses dois candidatos brigavam por um lugar no segundo turno da eleição no estado.

Também foram registrados 4% de intenções de voto para o candidato Pedro Fernandes (PDT), mesmo índice alcançado por Marcia Tiburi (PT). Marcelo Trindade, do Novo, somou 1%. Os candidatos André Monteiro (PRTB), Dayse Oliveira (PSTU) e Luiz Eugênio Honorato (PCO) ficaram zerados.

Leia também: Vice-prefeita de Nobres morre atropelada em frente a local de votação em MT

A pesquisa de boca de urna do Ibope foi realizada ao longo do dia com 2.600 eleitores do Rio de Janeiro. O levantamento tem nível de confiança de 99% e está registrado no TRE (Tribunal Regional Eleitoral): RJ-04204/2018.

O crescimento do advogado Wilson Witzel  já havia sido identificado em pesquisas anteriores, mas nenhum estudo chegou a mostrá-lo efetivamente na disputa para ir ao segundo turno – e muito menos na liderança da corrida eleitoral no Rio de Janeiro. Sua guinada decorreu, especialmente, do apoio recebido da família do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).