Tamanho do texto

Presidenciáveis não pouparam críticas à ausência do candidato do PSL e à polarização entre PT e a "extrema direita"; opções de centro se apresentaram como "esperança" para unir o País e sair da crise econômica

Debate na Globo conta com a participação de sete dos 13 candidatos à Presidência da República
Ricardo Stuckert
Debate na Globo conta com a participação de sete dos 13 candidatos à Presidência da República

O último  debate entre os candidatos à Presidência da República antes do primeiro turno aconteceu na noite desta quinta-feira (4). O debate na Globo teve a mediação do jornalista Willian Bonner e contou com a presença de Álvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos(PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Marina Silva (Rede).

O candidato Jair Bolsonaro (PSL), líder das pesquisas de intenção de voto, não participou do  debate na Globo . De acordo com a avaliação dos médicos, o nível de estresse da eventual participação no encontro poderia ter reflexos na condição de saúde do presidenciável que recebeu alta no último dia 28.

No entanto, a ausência do presidenciável foi duramente criticada pela maioria dos participantes do debate. Para eles, Bolsonaro "fugiu do embate", "amarelou" e tinha condições de participar já que pôde dar entrevista de quase meia hora para uma emissora concorrente, a Record.

A polarização entre o candidato do PSL e Fernando Haddad também foi um assunto recorrente entre os participantes, com alguns ressaltando a "ameaça da extrema direita" ou a volta do PT ao poder.

No primeiro bloco, os candidatos, em ordem definida por sorteio, fizeram perguntas entre si com tema livre. O primeiro a perguntar foi Ciro Gomes, que escolheu Marina Silva, questionando a candidata da Rede sobre a polarização política e uma suposta falta de governabilidade do próximo presidente eleito.

“Alguns estão votando por medo do Bolsonaro e outros por medo de Haddad. E essa política do medo vai afundar ainda mais o Brasil na crise. Mas nós temos alternativas para fazer essa escolha” disse Marina. Na réplica, Ciro classificou as palavras de Marina como 'sábias'. “O que está em jogo aqui não é paixão partidária. O que está em jogo é a vida dos brasileiros”, afirmou o pedetista. Em sua tréplica, Marina afirmou que pretende “governar com os melhores”.

Geraldo Alckmin foi o próximo a perguntar, e questionou Fernando Haddad sobre o deficit que o próximo governo terá que assumir. “A política econômica petista levou o Brasil a uma crise sem precedentes. Você pretende manter esse modelo?”, questionou o tucano. Haddad defendeu os governos anteriores e atacou o partido do adversário. “O PSDB se aproximou de Michel Temer para sabotar o governo Dilma e foi isso que levou o País à crise”, retrucou o petista.

Em sua réplica, Alckmin disse que o PT “terceiriza responsabilidades” e lembrou que quem “escolheu” Michel Temer foi o PT e a ex-presidente Dilma Rousseff. “Não acredito nem em PT e nem em Bolsonaro para tirar o Brasil da crise. Precisamos unir o País”, afirmou. Em sua tréplica, Haddad prometeu equilibrar as contas públicas, mas sem tirar direitos dos trabalhadores. “Temos que cortar do andar de cima e não dar privilégios como os que vocês deram ao Judiciário”, disse.

Álvaro Dias foi o terceiro a perguntar e escolheu Henrique Meirelles, mas perdeu todo o seu tempo reclamando de não ser convidado para dar entrevista na emissora e falando mal dos governos do PT e do ex-presidente Lula. O emedebista, por sua vez, utilizou seu tempo para falar sobre suas propostas nos setores e economia, segurança e saúde.

Guilherme Boulos escolheu Geraldo Alckmin e o questionou sobre o apoio do seu partido à reforma trabalhista. “Nós somos contra o corporativismo. A reforma trabalhista foi necessária e nenhum direito foi tirado. O Brasil precisa voltar a crescer e precisamos de reformas: política, tributária, reforma do estado”, listou o ex-governador de São Paulo, que prometeu trazer investimentos privados para criar empregos.

O psolista discordou do adversário e atacou auxilio moradia para juízes e juros abusivos de bancos. “Nós temos coragem para revogar essa reforma trabalhista”, prometeu. Em sua tréplica, Alckmin insistiu que a reforma não tirou nenhum direito e está ajudando a criar postos de trabalho.

Henrique Meirelles chamou Ciro Gomes para debater sobre “salvadores da pátria”. Em uma clara referência à Bolsonaro, o ex-ministro da Fazenda lembrou do fracasso do governo Collor. “É o choque entre duas personalidades exuberantes: o lulismo e o anti-lulismo representado pelo Bolsonaro, mas não existe salvador da pátria”, respondeu o pedetista.

Meirelles concordou com o adversário e afirmou que o Brasil precisa de “experiência, competência e propostas concretas”, afirmando que seus trabalhos nos governos Lula e Temer ajudaram a criar 12 milhões de empregos. Ciro propôs limpar o nome dos brasileiros no SPC e fazer uma reforma tributária, taxando mais os mais ricos.

Fernando Haddad chamou Guilherme Boulos para uma dobradinha sobre os cortes de direitos trabalhista governo Temer. O psolista, no entanto, ignorou a pergunta para mencionar a história do regime militar e disse que não quer uma nova ditadura.

Haddad agradeceu a resposta do adversário e também juntou a tangente iniciada pelo psolista com a pergunta inicial. “Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida e outros programas importantes não existiriam sem a democracia. Não podemos permitir o corte de direitos”, afirmou.

O último embate do primeiro bloco foi entre Marina Silva e Alvaro Dias. A ex-ministra quis saber quais os atributos são necessários para um governante tirar o Brasil da crise. “A corrupção no País é uma afronta aos 52 milhões de brasileiros abaixo da linha de pobreza”, respondeu o candidato que, novamente, utilizou todo o seu tempo para criticar o que chamou de “roubalheira” dos governos petistas.

Marina disse que acredita que os atributos ideais para um governante são: “Compromisso com a mudança, uma boa equipe, pois não existem salvadores da pátria e coragem moral para combater a corrupção”. A candidata afirmou ainda que é a corrupção que tira dinheiro de áreas como a saúde.

O ex-governador do Paraná concordou e disse quem tem um plano para acabar com o “modelo perverso” do governo brasileiro e ainda alfinetou as candidaturas de Haddad e Bolsonaro. “De um lado uma organização criminosa e do outro a marcha da insensatez”, afirmou.

Segundo bloco de debate na Globo

Debate na Globo: Ciro Gomes atacou Bolsonaro e disse que a ideia de liberar porte de armas tem alegrado mercado
Reprodução
Debate na Globo: Ciro Gomes atacou Bolsonaro e disse que a ideia de liberar porte de armas tem alegrado mercado

O segundo bloco seguiu os mesmos moldes do primeiro, mas com tema sorteado. Guilherme Boulos pegou o assunto “custo Brasil” e voltou a escolher Geraldo Alckmin. O psolista afirmou que o tucano privilegiaria empresários com isenções fiscais em São Paulo e questionou se ele pretende manter essa política. “Precisamos fazer uma reforma do estado urgentemente. A crise pegou o Brasil inteiro, mas em São Paulo tivemos superávit. Diminuímos imposto de quase tudo, como remédios, alimentos”, disse.

Em sua réplica, Boulos voltou a afirmar que os governos tucanos davam privilégios aos mais ricos. Na tréplica, Alckmin exaltou suas medidas no estado de São Paulo e propôs uma reforma tributária para desburocratizar o pagamento de impostos.

Com o tema “legislação trabalhista”, Marina Silva escolheu Henrique Meirelles e quis saber se o ex-ministro da Fazenda pretende fazer ajustes em pontos polêmicos da reforma trabalhista. O emedebista admitiu que é preciso fazer algumas mudanças e propôs um relacionamento “moderno” entre funcionário e empresa. Marina também prometeu fazer alterações na lei da reforma trabalhista.

Meirelles foi o próximo da ordem do sorteio e chamou Alvaro Dias para debater sobre o tema “saúde”. “O que nós podemos fazer para garantir que as pessoas tenham atendimento rápido e de qualidade?”, perguntou o emedebista. Seguindo seu mote das outras perguntas, Dias disse que a primeira coisa é “não roubar” e voltou a falar sobre casos de corrupção nos governos de Lula, Dilma e Temer. “O SUS que era um grande programa acabou sendo um programa pífio por conta de desvio de verbas”, disse.

Em sua réplica, Meirelles lembrou que não tem nenhum processo. Na tréplica, o ex-governador do Paraná acusou o ex-ministro de ser conivente e citou as delações do ex-ministro Antonio Palocci e do publicitário Marcos Valério.

Com o assunto “gastos públicos” Alvaro Dias escolheu Fernando Haddad e perguntou sobre os casos de corrupção envolvendo a Petrobras. O petista ficou incomodado com o tom do adversário e afirmou que ele estava debochando do debate. "Nossos governos foram os primeiros a colocar o pobre no orçamento”, se defendeu Haddad.

Geraldo Alckmin chamou Marina Silva para debater sobre “transportes”. “Qual sua proposta para diminuir o custo Brasil para ajudar a transportar a produção agrícola?”, questionou o ex-governador de São Paulo. A candidata da Rede prometeu investir em infraestrutura e, principalmente em ferrovias e hidrovias. “A infraestrutura gera empregos, gera renda, mas tem que ser sustentável”, analisou.

Em sua réplica, Alckmin também prometeu ferrovias, além de hidrovias na região norte. O candidato ainda falou que, em seu governo, o Brasil se tornará o maior produtor de grãos e proteína animal do mundo. Marina lembrou de seu trabalho como ministra do Meio Ambiente e da construção da BR-163, que vai do Pará ao Rio Grande do Sul.

Antes da próxima pergunta, Henrique Meirelles teve direito de resposta concedido após ser chamado de “cúmplice de corrupção” por Alvaro Dias. Ele teve um minuto e voltou a se afirmar como candidato ficha-limpa.

Fernando Haddad pegou o tema “meio-ambiente” e, por conta das regras, foi obrigado a enfrentar Ciro Gomes. O candidato do PT perguntou como o adversário pretende equilibrar o agronegócio com o desenvolvimento sustentável. Ciro elogiou sua companheira de chapa, a senadora Katia Abreu, que é uma das líderes históricas da bancada ruralista. Ele também lembrou que já trabalhou com Marina Silva e propôs atividades alternativas na produção rural.

Em sua réplica, Haddad disse que é preciso sobretaxar e desapropriar terras improdutivas. “Os ruralistas modernos estão produzindo, mas os ruralistas arcaicos não estão”, atacou o petista. Em sua tréplica, o pedetista afirmou que o PT teve 14 anos para unir o Brasil, mas fracassou.

Na pergunta final do bloco, Ciro ficou com o tema “combate às drogas” e perguntou para Guilherme Boulos sobre como diminuir a população carcerária do País. “Essa ideia de que usuário de droga tem que ser tratado com porrada e com prisão tem que ser superada”, disse o psolista, que atacou as propostas de segurança de Bolsonaro e propôs tratar o vício em substâncias químicas como um problema de saúde pública.

Em sua réplica, Ciro também atacou Bolsonaro e afirmou que o candidato quer liberar as armas para que a indústria do setor lucre. “Eu queria tirar a máscara dele aqui, mas ele se ausentou do debate”, alfinetou o ex-governador do Ceará.

Terceiro bloco do debate na Globo

Debate na Globo: Marina Silva questionou Fernando Haddad sobre a alta rejeição de sua candidatura
Reprodução
Debate na Globo: Marina Silva questionou Fernando Haddad sobre a alta rejeição de sua candidatura

O bloco seguinte teve as mesmas regras do primeiro bloco, com temática livre, mas com cada candidato podendo responder até duas perguntas. Marina Silva foi a primeira e questionou Fernando Haddad sobre a  alta rejeição de sua candidatura e se ele faz alguma autocritica. “Faria essa pergunta para o candidato Bolsonaro, mas ele mais uma vez amarelou, deu uma entrevista para outra emissora e não está aqui debatendo conosco”, alfinetou

“Eu estou concorrendo aqui numa situação atípica, já o que o líder das pesquisas, o ex-presidente Lula, foi impedido de concorrer por uma decisão arbitrária da Justiça”, se defende o petista, que utilizou o restante de seu tempo para elogiar o ex-presidente e os governos petistas.

Na réplica, a ex-ministra subiu o tom. “Você é incapaz de reconhecer os erros. O Brasil está à beira de ir para um esgarçamento sem volta entre sua candidatura e a de Bolsonaro e vocês não estão pensando em projeto de país, mas em projeto de poder”, disparou. Em sua tréplica, Haddad voltou a ficar na defensiva e fez elogios ao seu trabalho na educação.

Henrique Meirelles chamou Ciro Gomes e perguntou qual o projeto do ex-governador sobre como zerar a fila de creches para crianças carentes. “Minha proposta é fazer creches integrais para crianças de 0 a 3 anos”, disse o candidato.

Meirelles, por sua vez, falou sobre o programa Procriança, uma extensão do Prouni onde crianças mais pobres poderiam utilizar creches particulares sem custo. Ciro lembrou que seu programa de creches no Ceará fez com que ele recebesse um prêmio na Organização das Nações Unidas (ONU) pelo seu trabalho contra a mortalidade infantil.

Ciro e Meirelles ficaram frente a frente novamente, desta vez, para atacar a ausência de Jair Bolsonaro. “Deu uma entrevista longa e não está aqui”, disse Ciro Gomes. “Quem quer ser presidente tem que enfrentar intempéries”, completou Meirelles. Ciro ainda atacou o vice de Bolsonaro, General Mourão e as frequentes brigas internas na chapa do candidato do PSL. “O Brasil não precisa de outra aventura”, disse Meirelles na tréplica.

Alvaro Dias foi o próximo a perguntar e escolheu Geraldo Alckmin. Após mais ataques ao PT, o candidato do Podemos questionou o tucano sobre seu projeto para mudar o sistema de governo do Brasil. Alckmin voltou a afirmar que o PT terceiriza responsabilidades, mas disse que o caminho não pode ser o dos “radicais de direita”. “Não respeitam os trabalhadores, não respeitam as mulheres. É preciso combater os extremos”, disse o ex-governador.

Em sua réplica, Dias afirmou que era preciso parar de discutir “assuntos periféricos” e focar na corrupção. Na tréplica, Alckmin voltou a prometer uma reforma política e a diminuição do número de partidos políticos.

Novamente, Haddad escolheu Guilherme Boulos e perguntou a proposta do psolista para o ensino médio. “Precisamos retomar o investimento em educação e o primeiro passo é revogar a PEC do Teto de Gastos”, sugeriu o psolista, que ainda prometeu a implementação de tecnologia nas escolas e revogar a reforma do ensino médio feita pelo governo Temer.

Em sua réplica, Haddad prometeu auxiliar as escolas estaduais com o modelo implementando nas escolas federais, militares, Sesi e Senai. Na tréplica, Boulos criticou os investimentos públicos nos financiamentos estudantis e propôs mais vagas em universidades públicas.

No embate final do bloco, Geraldo Alckmin chamou Marina Silva e quis saber a proposta da candidata para lidar com a segurança pública. “Nossa propostas é um sistema único de segurança pública. Com investimento em inteligência, equipamento e policiais melhor remunerados para combater o crime organizado”, explicou a candidata da Rede.

Alckmin citou números de seu governo em São Paulo, afirmando que o número de homicídios, especialmente de jovens e negros, caiu muito no estado. “Vamos aperfeiçoar o código penal” prometeu o tucano.

Quarto bloco no debate na Globo

Debate na Globo contou com a participação de sete dos 13 candidatos à Presidência da República
Reprodução
Debate na Globo contou com a participação de sete dos 13 candidatos à Presidência da República

No quarto bloco, o tema das perguntas voltou a ser sorteado, com os candidatos podendo responder até duas vezes. Com o tema “Previdência” Haddad escolheu Ciro Gomes e perguntou a opinião do adversário sobre a reforma proposta pelo governo de Michel Temer. “É uma aberração. Um trabalhador rural do nordeste não pode ter o mesmo tempo de aposentadoria que um trabalhador intelectual do Leblon ou da Avenida Paulista. E o Bolsonaro quer a mesma coisa. Aliás, o Bolsonaro não, o Paulo Guedes” afirmou o ex-governador do Ceará, que propôs uma nova reforma.

Haddad concordou. “Não dá pra ter a mesma regra pra todo mundo”, afirmou o petista. Ciro relembrou que quatro das cinco maiores centrais sindicais do País estão com ele e disse que tem se reunido com os trabalhadores para montar uma proposta mais justa. “O maior problema do Brasil é a desigualdade”, completou Ciro.

O pedetista foi o próximo a perguntar e chamou Henrique Meirelles para debater sobre segurança para as mulheres. “Para defender as mulheres, precisamos melhorar a segurança de todos. Precisamos de um sistema de segurança unificado e de mais recursos para aumentar o efetivo”, propôs. 

Com o tema “políticas sociais” Meirelles escolheu Geraldo Alckmin e perguntou a proposta do tucano para reforçar as políticas sociais e para que menos pessoas precisem do Bolsa Família. “Só temos um jeito, que é recuperar a economia e criar empregos e, para que isso aconteça, as reformas são necessárias”, explicou o ex-governador de São Paulo, que elogiou o Bolsa Família.

Meirelles prometeu uma “política econômica bem sucedida” e voltou a lembrar de seus trabalhos no Banco Central e como ministro da Fazenda.

Com o tema “saneamento”, Boulos perguntou para Geraldo Alckmin se ele considerava o saneamento básico um negócio ou um direito. “Saneamento básico é essencial para a saúde da nossa população. Hoje, o governo tributa as empresas de água e esgoto. Nós vamos devolver esse dinheiro para colocar água e tratar o esgoto da casa das pessoas”, explicou.

Alckmin e Alvaro Dias debateram sobre educação, com o tucano prometendo zerar a fila das pré-escolas. Depois, Marina Silva chamou Guilherme Boulos para debater sobre impostos. Os dois candidatos concordaram que as classes mais pobres no País pagam muitos impostos.

Com o tema “corrupção”, Alvaro Dias chamou Fernando Haddad e afirmou que existe uma “conspiração com a Operação Lava Jato”, depois perguntou o que aconteceria com a operação em um eventual governo petista. “Nós vamos fazer o um governo tem que fazer, que é fortalecer os meios de combate à corrupção. Foi o que sempre fizemos”, explicou o ex-prefeito de São Paulo.

Em sua réplica, Dias disse que o adversário soltava “palavras ao vento”, uma vez que defendia que a prisão do ex-presidente Lula é injusta. “Temos provas cabais, primeira e segunda instância. Não podemos acreditar que alguém que diz isso vai impor rigor no combate à corrupção”, atacou. Haddad não falou sobre o ex-presidente, mas lembrou que a Lei da Ficha Limpa foi aprovada durante os governos petistas.

Em ordem definida por sorteio, os candidatos tiveram um minuto para as considerações finais. Alckmin agradeceu à população brasileira e pediu o voto da população para fugir do “radicalismo, do ódio e do preconceito”. Alvaro Dias também agradeceu e voltou a clamar pelo combate à corrupção, dizendo que essa foi sua luta durante toda sua vida política. Ciro Gomes afirmou que o Brasil está parado há quatro anos. “Essa divisão só vai aprofundar a crise no Brasil”, disse o pedetista sobre Bolsonaro e Haddad na frente nas pesquisas.

Henrique Meirelles pediu para que os eleitores comparassem competência e história e voltou a se afirmar como ficha-limpa. “Ódio não gera emprego”, disse o ex-ministro. Fernando Haddad disse que vai oferecer trabalho e educação para todos, “sobretudo para quem mais precisa”. Marina Silva atacou o “caminho do ódio, das mentiras e das falsas promessas” e se apresentou como uma “pacificadora”. Último a falar no debate na Globo , Guilherme Boulos também clamou para que as pessoas “não votem com ódio, mas com esperança”.