Tamanho do texto

Laudo psiquiátrico foi entregue pela defesa de Adelio Bispo de Oliveira nesta segunda-feira; advogados vão pedir uma avaliação de sanidade mental

Adélio Bispo está preso por esfaquear Bolsonaro durante ato de campanha na cidade no dia 6 de setembro
POLÍCIA MILITAR / DIVULGAÇÃO
Adélio Bispo está preso por esfaquear Bolsonaro durante ato de campanha na cidade no dia 6 de setembro

O laudo do exame particular feito por Adelio Bispo de Oliveira, autor do ataque contra o candidato à Presidência Jair Bolsonaro(PLS) , apontou que o agressor, sofre de transtorno delirante grave. A defesa protocolou o resultado nesta segunda-feira (1º) na 3ª Vara Federal de Juiz de Fora (MG) para solicitar um novo pedido de avaliação de sanidade mental.

Adelio Bispo está preso por esfaquear Bolsonaro durante ato de campanha na cidade no dia 6 de setembro. Segundo a defesa, a solicitação é de que o pedido negado anteriormente seja reavaliado, tendo em vista que no documento protocolado há um laudo médico.

O advogado Marco Alfredo Mejia informou que o processo segue em sigilo e a defesa não vai passar resultado à imprensa. Os advogados esperam análise ainda esta semana e querem que seja feito um laudo nomeado pela Justiça Federal.

autorização para que Adelio fizesse o exame foi dada no último dia 19 pelo juiz Bruno Savino, da 3ª Vara Federal de Juiz de Fora.

Savino havia negado um primeiro pedido de instauração de incidente de insanidade, por ter avaliado que não existiam nos autos indícios da alegada insanidade do investigado. Por isso, foi facultada à defesa a apresentação de laudo médico particular a fim de embasar novo requerimento de instauração de incidente de insanidade.

Quando houve o primeiro pedido de incidente de insanidade, o Ministério Público Federal (MPF) se manifestou pelo indeferimento. “Como ressaltado pelo MPF, não há laudos, declarações, recibos de honorários ou qualquer outro documento idôneo. Sequer há menção a nomes de profissionais envolvidos ou locais do alegado tratamento”, afirmou o juiz, na ocasião.

Adelio Bispo agiu sozinho

Conclusão do primeiro inquérito é de que Adelio Bispo de Oliveira agiu sozinho no momento do ataque
Reprodução
Conclusão do primeiro inquérito é de que Adelio Bispo de Oliveira agiu sozinho no momento do ataque

O delegado da Polícia Federal Rodrigo Morais, que preside o inquérito que investiga o atentado contra Bolsonaro, afirmou que a polícia concluiu a investigação e apontou que Adelio foi motivado por "inconformismo político".

"Ficou claro que o motivo realmente era o inconformismo politico do senhor Adelio Bispo em razão de discordar de algumas opiniões políticas e de alguns discursos políticos que o candidato [Jair Bolsonaro] então defendia", disse Morais em entrevista coletiva na sede da PF, em Brasília.

A conclusão do primeiro inquérito é de que Adelio agiu sozinho no momento do ataque e que a motivação “foi indubitavelmente política”. Um segundo inquérito foi aberto para dar continuidade às apurações.

De acordo com o inquérito, foram verificados mais de 250 gigabytes de informações em mídias, incluindo dados de celulares e do notebook do suspeito, assim como cerca de 600 documentos.

Segundo o documento, a polícia federal ainda teve acesso a mais de 6 mil mensagens instantâneas e 1.060 e-mails, que seguirão sendo analisados no segundo inquérito. Outros seis e-mails e três telefones usados por Adelio devem ser alvo das investigações.

Polícia Federal  concluiu ainda que “houve uma decisão prévia, reflexiva e arquitetada” por parte de Adelio para “atentar contra a vida do candidato”.

Segundo o inquérito, o agressor fotografou locais em que Bolsonaro estaria em Juiz de Fora, como a Câmara Municipal, e também um outdoor que anunciava a presença de Bolsonaro na cidade.

Em outras fotos encontradas no celular de Adelio, “restou evidenciado que esteve acompanhando o presidenciável Jair Messias Bolsonaro durante todo o dia, tendo tido, inclusive, acesso a ao hotel em que estava programado um almoço com empresários”.

Já no computador, a PF encontrou “arquivos relacionados a contatos de pessoas, partidos e organizações afinadas com a ideologia de esquerda”.

De acordo com a polícia, a pena para o crime pelo qual Adelio foi indiciado é de três a dez anos de prisão e, em caso de lesão corporal grave, pode ser aumentada até o dobro.

Adelio Bispo esfaqueou candidato

Bolsonaro foi atingido por uma facada de Adelio Bispo de Oliveira na região abdominal
Reprodução Twitter
Bolsonaro foi atingido por uma facada de Adelio Bispo de Oliveira na região abdominal

O deputado federal e candidato à Presidência da República Bolsonaro foi atingido por uma facada na região abdominal no último dia 6, quando participava de um comício Juiz de Fora (MG). O autor do ataque foi detido na sequência.

O deputado foi encaminhado para a Santa Casa de Juiz de Fora, onde passou por uma cirurgia de emergência, recebeu uma transfusão de sangue e colocou uma bolsa de colostomia. Jair Bolsonaro foi transferido para o Hospital Albert Einstein, na capital paulista, no último dia 7. Após 23 dias internado, o candidato recebeu alta no sábado (29).

Aos 63 anos de idade, o ex-capitão do Exército passou por duas cirurgias após ter sido perfurado por faca de 20 centímetros na região do abdômen. 

A ausência de Bolsonaro à frente da própria campanha revelou divergências dentro de sua equipe. Houve desentendimentos acerca do tom e da direção a se seguir, e nesse cenário o economista Paulo Guedes e o vice da chapa, general Mourão, encontraram espaço para agir de forma autônoma e causaram mal-estar com declarações polêmicas.

Apesar da alta hospitalar, Jair Bolsonaro não deve participar de nenhum evento antes da votação do primeiro turno, agendada para o domingo da semana que vem (7). 

Durante o período em que esteve internado, o deputado criticou as investigações e afirmou que o ataque de Adelio foi um atentado político

“Pelo que ouvi dizer, não tenho certeza ainda, a Polícia Civil de Juiz de Fora está bem mais avançada que a Polícia Federal. O depoimento do delegado que está conduzindo, realmente é para abafar. Eu lamento o que ouvi ele falando. Dá a entender até que age em parte como uma defesa do criminoso. Isso não pode acontecer. Não quero que inventem um responsável. Longe disso. Tal partido… não. Mas dá para apurar o caso”, alegou Bolsonaro.

“Tem uma passagem dele [ Adelio Bispo ] na Câmara. Ou melhor, uma passagem falsa dele na Câmara, no dia 6 de setembro. E quando vai à Câmara, você se identifica, é fotografado. Então quem foi que…? Poderia ter um álibi aí. A polícia legislativa trabalha com muita lisura. A imprensa também tem que apurar. Você sabe que parte dela tenta acalmar o negócio. O que está em jogo é o poder. Eu chegando lá, nós quebraríamos o sistema. Não é na ignorância, não, é na lei”, explicou.