Tamanho do texto

Novo presidente do STF, Dias Toffoli é apenas o quarto na linha sucessória, mas assume cargo de Temer durante viagem para conferência da ONU em Nova Iorque por conta do impedimento de Rodrigo Maia e Eunício Oliveira

Empossado a 12 dias presidente do STF, Dias Toffoli assume presidência no lugar de Temer por conta de viagem para conferência da ONU
Carlos Moura/SCO/STF
Empossado a 12 dias presidente do STF, Dias Toffoli assume presidência no lugar de Temer por conta de viagem para conferência da ONU

O presidente Michel Temer embarcou há pouco para Nova York, nos Estados Unidos, para participar da abertura da 73ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Antes da partida, Temer transferiu o cargo temporariamente ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, durante uma rápida cerimônia na Base Aérea de Brasília. É a primeira vez que Toffoli assume como presidente da República interino.

Leia também: Dias Toffoli é eleito presidente do STF e substitui Cármen Lúcia já em setembro

Empossado presidente do STF a apenas 12 dias, Toffoli assume o cargo em função da legislação eleitoral. Como o cargo de vice-presidente estará vago, em virtude da viagem de Temer , a primeira pessoa da linha sucessória no país é o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o segundo, o do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE).

No entanto, a legislação eleitoral impede a candidatura de ocupantes de cargos no Executivo nos seis meses que antecedem as eleições. Dessa forma, se Maia ou Eunício assumissem a Presidência, ficariam inelegíveis e não poderiam disputar as eleições de outubro. A viagem de Temer e ausência de um vice, portanto, obrigam Maia e Eunício a também sairem do País mesmo durante a campanha para não serem "obrigados" a assumir a Presidência.

No cargo, Toffoli deverá assinar a recondução de um conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), uma norma que trata da licença paternidade para milhares e a inscrição do nome do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes no Livro de Heróis da Pátria.

Leia também: "Não somos mais nem menos que os outros poderes", afirma Toffoli ao assumir STF 

A assembleia da ONU , por sua vez, está marcada para a terça-feira (25) e está previsto um discurso do presidente brasileiro. Esta será a última vez que Temer vai participar da reunião das Nações Unidas como presidente da República. O Brasil é sempre o primeiro país a discursar na assembleia da ONU desde a 10ª sessão da cúpula em 1955, que ocorre todo mês de setembro. 

Temer deve se reunir com o secretário-geral da ONU, António Guterres. E também terá dois outros compromissos: primeiro uma reunião bilateral com o presidente da Colômbia, Iván Duque Márquez; em seguida, participará de uma reunião com presidentes do Mercosul, bloco que reúne Brasil, Argentina, Uruguai e Argentina. Depois disso, se encerra a viagem de Temer e, portanto, Toffoli assume neste domingo (23) e devolve a presidência já na próxima terça-feira (25).

Leia também: Juiz quer ouvir Temer, Moreira Franco e Padilha em ação sobre quadrilhão do MDB

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.