Tamanho do texto

Aliados evitam se expor ao lado de Aécio Neves (PSDB), que concorre a vaga na Câmara; ele foi o maior beneficiário do fundo partidário em MG

Entusiasta do impeachment em 2016, Aécio Neves vive situação diversa da de Dilma Rousseff em Minas Gerais
Marcos Oliveira/Agência Senado - 22.11.17
Entusiasta do impeachment em 2016, Aécio Neves vive situação diversa da de Dilma Rousseff em Minas Gerais

De prestigiado líder nacional dos tucanos, Aécio Neves tornou-se quase uma persona non grata no partido. Quase, sim, pois, a despeito de ser evitado por marqueteiros de seu afiliado político Antônio Anastasia, que concorre ao governo de Minas, e tendo sido escanteado pela campanha nacional de Geraldo Alckmin, o mineiro recebeu R$ 2 milhões do fundo partidário destinado ao PSDB.

Leia também: "Fui ingênuo, mas não cometi crime", diz Aécio na véspera de julgamento no STF

Os valores que recebeu Aécio tratam-se da maior fatia do fundo partidário dirigida a um candidato a deputado federal pelo PSDB em Minas Gerais. Para se ter uma ideia, o presidente estadual do partido, Domingos Sávio, que busca reeleger-se deputado, recebeu R$ 900 mil, figurando em segundo lugar entre os maiores beneficiários do fundo.

Em seguida, vem o vice-presidente da legenda no estado, Paulo Ackel, que recebeu R$ 500 mil. Outra tucana de expressão em Minas, Cidinha Campos teve direito a R$ 80 mil.

A ideia inicial do candidato à presidência da República em 2014 era candidatar-se ao Senado. Encurralado, contudo, pelas delações da JBS, Neves desistiu de tentar a reeleição ao Senado, casa para a qual Dilma será a candidata petista, preferindo tentar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Leia também: Patrimônio de Aécio Neves triplica após eleições de 2014

Dirigentes do partido consideram que seria tóxico para Antônio Anastasia , candidato tucano ao governo de Minas Gerais, a superexposição de Aécio na campanha.

O entendimento do PSDB é que quanto menos Neves aparecer na campanha, mais favorecido será  Anastasia, seu ungido político que o sucedeu no governo do estado em 2010 e que vem sendo bem cotado em pesquisas eleitorais.

Além disso, a possibilidade de Aécio  Neves ser derrotado na corrida senatorial não era baixa. Embora as eleições deste ano contem com duas vagas no Senado para cada estado, o tucano teria de concorrer contra a ex-presidenta Dilma Rousseff , adversária política que o venceu em Minas Gerais em 2014.

Leia também: Dilma Rousseff é lançada como candidata ao Senado por Minas Gerais