Tamanho do texto

Convenção estadual que ocorreu neste domingo (5) também oficializou o nome de Fernando Pimentel à reeleição como governador do estado

Dilma Rousseff foi oficializada como candidata ao Senado quase dois anos depois de sofrer um impeachment
Roberto Stuckert Filho 05.08.2018
Dilma Rousseff foi oficializada como candidata ao Senado quase dois anos depois de sofrer um impeachment

Quase dois anos após sofrer um impeachment , a ex-presidente Dilma Rousseff foi lançada como candidata ao Senado por Minas Gerais pelo PT (Partido dos Trabalhadores). A convenção estadual que ocorreu neste domingo (5) também oficializou o nome de Fernando Pimentel à reeleição como governador do estado. 

Após citar sua presença na convenção do PT que oficializou a candidatura do ex-presidente Lula  à Presidência da República, nesse sábado (4), Dilma Rousseff afirmou que eles estão “fortes, inteiros, corajosos e lutadores”.

A ex-presidente voltou a afirmar que o impeachment que sofreu foi um golpe, que teria tirado direito dos trabalhadores e que estaria querendo vender os patrimônios e empresas publicas.

“Esse golpe tinha um objetivo claro: nos destruir como partido e proposta. Destruir toda a liderança que o PT conquistou na luta pela redemocratização, pela melhoria de vida, mas esse objetivo eles não conseguiram, e a prova disso está aqui, claro. Agora, é nossa hora.”

A candidata ao Senado afirmou que em Minas poderá combater o chamado golpe, em um lugar onde estariam os principais protagonistas do impeachment.  “Um que perdeu a eleição, e outro que destruiu o orçamento do estado de Minas e entregou ao Pimentel um governo falido. Aqui vai se travar a luta decisiva, a batalha. Se não ganharmos aqui, nós perderemos o Brasil.”

Carta de Lula foi lida após discurso de Dilma Rousseff

Ex-presidente Dilma Rousseff terminou seu discurso como candidata ao Senado entoando os gritos de
Reprodução/Facebook/Dilma Rousseff 05.08.2018
Ex-presidente Dilma Rousseff terminou seu discurso como candidata ao Senado entoando os gritos de "Lula livre"

Assim como foi feito na convenção do PT desse sábado, uma carta do ex-presidente Lula foi lida na convenção estadual após o discurso da candidata ao Senado.

“Fui perseguido, condenado e preso sem nenhum crime cometido, a não ser o de lutar pela soberania do Brasil e pela liberdade do povo brasileiro. Nem assim nossos adversários ficaram saciados. A prova disso é que o encontro de hoje reúne duas outras vítimas da traição e da perseguição política. Companheiros na luta contra a ditadura, Fernando Pimentel e Dilma Rousseff enfrentam hoje juntos interesses poderosos contra o povo de Minas e do Brasil”, diz o texto.

Segundo Lula, o PSDB, com apoio da grande mídia e de parte do Ministério Público e do Poder Judiciário, “golpeou a primeira mulher presidente do Brasil” e ainda “colocou um fantoche em seu lugar”. “Tentaram também impedir a candidatura da Dilma ao Senado, porque sabem que serão derrotados, como foram em 2014, em Minas e no Brasil.”

Para o ex-presidente, o governo do PSDB em Minas deixou uma dívida no estado para deixá-lo “ingovernável”, prejudicando, desta forma, o governo petista, com Fernando Pimentel.

Lula também citou Aécio Neves, que disputou o segundo turno de 2014 com Dilma Rousseff , mas perdeu. Para o ex-presidente, o senador “não aceitou a derrota e acendeu o pavio desse golpe que trouxe de volta a miséria, a fome e a mortalidade infantil”. Lula não deixou de citar o fato de que Aécio desistiu de enfrentar novamente Dilma, desta vez na disputa pelo Senado, nas eleições 2018, e vai de candidatar apenas à Câmara dos Deputados .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.