Tamanho do texto

Para o general Mourão, vice de Bolsonaro, lares que não são liderados por homens tendem a fornecer mão de obra para o tráfico de drogas

General reformado do Exército Antonio Hamilton Martins Mourão, vice de Bolsonaro
Divulgação/Exército Brasileiro - 7.7.14
General reformado do Exército Antonio Hamilton Martins Mourão, vice de Bolsonaro

O general reformado Hamilton Mourão, vice de Bolsonaro nas eleições presidenciais, não se tornou conhecido pelo raciocínio ponderado e pelas falas equilibradas. Ele, que já defendeu que o Exército pode tomar o poder caso julgue que o país se encontra em situação de “caos”, que afirmou que uma nova Constituição pode ser promulgada sem a participação de deputados eleitos, e que lamentou o que chamou de “herança” da “indolência” indígena e da “malandragem” do negro no caráter nacional, voltou a polemizar nesta segunda-feira (17).

Leia também: Mourão entra na Justiça para substituir Bolsonaro em debates

Dessa vez, o alvo da crítica de Mourão foram as mães e as avós que se responsabilizam por seus lares na ausência de homens presentes, sejam eles pais ou avós. Para o vice de Bolsonaro , as famílias “sem pai e avô, mas com mãe e avó” são “fábrica de desajustados”. Desses lares, disse, saem a mão de obra do tráfico de drogas.

A declaração foi dada no sindicato do mercado imobiliário de São Paulo. A plateia aplaudiu e concordou com o teor da palestra de Mourão.

O general reformado também destilou suas opiniões sobre política externa. Para ele, o Brasil errou ao buscar estabelecer pontes diplomáticas e empresariais com a África e a América Latina.

Leia também: Vice de Bolsonaro critica ‘oba oba’ de aliados em visita ao hospital

“Nós nos ligamos com toda a mulambada , do lado de lá e de cá do oceano na diplomacia sul-sul”, disse ele, para quem o termo ‘mulambada’ se explica pela exigência de satisfazer os empresários presentes no auditório.

As falas se somam a uma série de ditos preconceituosos de Mourão. Em entrevista recente, o general reformado, questionado pelos jornalistas sobre quais seriam as situações anárquicas que justificariam um  golpe , respondeu: “O próprio presidente é o comandante-chefe das Forças Armadas, ele pode decidir isso. Ele pode decidir empregar as Forças Armadas”.

O vice de Bolsonaro voltou a reafirmar, ainda, seu pensamento relativo à formação social brasileira. Ele disse que sua frase sobre a “indolência herdada dos indígenas” e a “malandragem oriunda dos negros” foi mal interpretada – sem explicar, contudo, qual seria a interpretação que ele pretendeu imprimir na frase.

Leia também: Vice de Bolsonaro admite que pode haver ‘autogolpe’ militar em caso de anarquia