Tamanho do texto

Condenado a 183 anos de prisão, ex-governador pediu voto a filho, candidato à Câmara, e disse que luta para não ser punido por crimes que não cometeu

Reprodução/Facebook/Marco Antônio Neves Cabral
"Você não merece pagar pelos meus erros", diz Sérgio Cabral em carta a seu filho

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral escreveu carta ao filho Marco Antônio Neves Cabral, que é candidato a deputado federal pelo MDB, reconhecendo que "errou" e defendendo que seu filho "não pague por seus erros" na eleição de outubro.

A carta de Sérgio Cabral data de 7 de setembro e foi reproduzida por Marco Antônio em seu Facebook nesta segunda-feira (17). Condenado já em sete ações penais da Operação Lava Jato , com penas que somam 183 anos de prisão, o ex-governador afirma no texto que está lutando para não ser punido por crimes que não cometeu.

“A fé em Deus e o amor de nossa família tem sido as bases para superar e enfrentar a privação da liberdade", diz Cabral, que está preso já há quase dois anos. "Mas a vida é uma benção. Nos altos e baixos devemos refletir sobre nossos erros e acertos. Na Justiça, luto com a minha defesa para não ser punido pelo que não fiz e assumir os erros que, infelizmente, cometi", continua o emedebista.

Leia também: Mansão de Sérgio Cabral em Mangaratiba é leiloada por R$ 6,4 milhões

"Quem errou fui eu", apela Sérgio Cabral em carta ao filho

Sérgio Cabral está preso desde novembro de 2016; ex-governador é acusado de chefiar organização criminosa no Rio
Twitter/Reprodução
Sérgio Cabral está preso desde novembro de 2016; ex-governador é acusado de chefiar organização criminosa no Rio

Assumindo o papel de cabo eleitoral, Cabral exalta a carreira política do filho e faz apelo para que os eleitores não "punam" Marco Antônio nas urnas por conta dos erros do pai.

"Você não merece pagar pelos meus erros. Você fez um lindo mandato e merece a reeleição. Quem errou fui eu. E a população do Rio sabe disso.  Você aprendeu com os erros do seu pai e tem a sua vida pública própria. Carrega consigo a sensibilidade com os mais humildes e que mais precisam da presença do poder público. Apresentou projetos de lei de enorme alcance social. Filho , desculpe pelos meus erros. Que Deus te proteja e te guie. Te amo muito", finaliza Cabral.

Leia também: Embaixada da Guiné Equatorial protesta por apreensão de bens de filho de ditador

Acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ser chefe de uma organização criminosa que desviou milhões dos cofres públicos do Rio mediante a acordos com empresas – em sua maioria, construtoras – e fraudes em contratações para obras no estado, Sérgio Cabral está detido desde novembro de 2016. Ele já passou por três penitenciárias e hoje está preso em Bangu 8, na zona oeste da capital fluminese.