undefined
Divulgação
Haddad afirmou que o PT vai “tomar todas as providências jurídicas para assegurar a candidatura de Lula”

Após uma reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a direção do PT anunciou  nesta segunda-feira (3) que pretende recorrer novamente ao Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) para garantir que a candidatura de Lula à Presidência da República seja registrada nas eleições de outubro.

Em entrevista coletiva após a visita, Fernando Haddad, atual candidato a vice na chapa petista disse que o partido vai “tomar todas as providências jurídicas para assegurar a candidatura de Lula ”.

O PT prepara ainda dois recursos ao Supremo Tribunal Federal (STF), abordando questões eleitorais e criminais, para que não ocorra a necessidade de substituição do nome na chapa no prazo de dez dias, conforme definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que negou o pedido de candidatura na última sexta-feira (31).

Segundo Haddad, Lula decidiu continuar defendendo sua candidatura. “Nós sabemos que o povo está sofrendo uma crise sem precedentes. As pessoas estão com a vida cada vez mais difícil e o ex-presidente Lula é o caminho para a saída dessa situação”, afirmou.

“Denunciaremos à ONU o não cumprimento do que determinou em relação à candidatura do ex-presidente Lula, assim como entraremos com recursos judiciais cabíveis para defender essa candidatura”, afirmou a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann. 

De acordo com o TSE, Lula não pode aparecer em propaganda política como candidato e está excluído da cédula eleitoral. Também nesta segunda feira, o ministro Luis Felipe Salomão  proibiu o PT de veicular propagandas no horário eleitoral em que apresenta o ex-presidente como candidato. Foi fixada multa no valor de R$ 500 mil para o caso de descumprimento dessa determinação.

A decisão em caráter liminar (provisório) atende a pedido do Partido Novo , que argumentou na representação que, ao manter seus programas na TV e no rádio com Lula candidato, o PT estava "desafiando" o TSE, uma vez que a maioria dos ministros da corte decidiu, na madrugada do último sábado (1º), barrar a candidatura do ex-presidente com base na Lei da Ficha Limpa.

Leia também: O que resta à defesa de Lula? Recurso no STF ainda pode tornar petista candidato

Haddad defendeu que a Coligação “O Povo Feliz de Novo” teve prazo muito exíguo para ajustar todas as plataformas de propaganda eleitoral, uma vez que a decisão do TSE sobre a candidatura de Lula foi tomada na madrugada de sábado. Ele apontou que foram tomadas medidas ainda na madrugada pra ajustar a decisão, chamando os profissionais em suas casas para fazer as adequações.

    Leia tudo sobre: Lula

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários