Em sua conta no Twitter, a petista se disse vítima de um golpe apoiado por Marina Silva e cometido por uma
Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Em sua conta no Twitter, a petista se disse vítima de um golpe apoiado por Marina Silva e cometido por uma "aliança acusada de corrupção" que queria seu afastamento para "estancar a sangria"

Neste sábado (1º), em sua conta no Twitter, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) alfinetou Marina Silva (Rede Sustentabilidade), dizendo que a presidenciável "sempre foi dissimulada". A petista ainda criticou a ex-senadora por ter se aliado a Aécio Neves (PSDB) nas eleições presidenciais de 2014.

Leia também: Candidatura de Dilma Rousseff ao Senado já tem dois pedidos de impugnação

As declarações de Dilma acontecem dois dias depois de Marina Silva conceder entrevista ao Jornal Nacional (JN). Aos âncoras William Bonner e Renata Vasconcellos, Marina disse que Dilma e Michel Temer (MDB) "não têm legitimidade" e são "farinhas do mesmo saco", uma vez que ambos "cometeram os mesmos crimes de desvio de dinheiro público".

Numa série (ou thread , como os usários costumam chamar) de três tuítes, Dilma escreveu que Marina, "de tanto se esconder e se omitir dos problemas do país", agora difama. A petista se disse vítima de um golpe cometido por uma "aliança acusada de corrupção" que queria seu afastamento para "estancar a sangria".

Em seguida, a ex-presidente afirmou que Marina apoiou e continua apoiando "um golpe e um governo golpista". Dilma, que concorre a uma vaga no Senado por Minas Gerais, ainda se descreveu como vítima de Aécio Neves, "que não soube perder a eleição" e foi o candidato apoiado pela presidenciável da Rede em 2014.

Você viu?

Por fim, a petista escreveu que as avaliações da ex-senadora buscam esconder seus "equívocos políticos", e que não reconhece qualquer autoridade política ou ética que permita que Marina possa criticá-la.

Leia também: Ministro do TSE manda apagar "fake news" sobre Marina Silva

Marina Silva cumpre agendas de campanha no Rio de Janeiro e ainda não se manifestou sobre as declarações de Dilma Rousseff. Quando concorreu à presidência pelo PSB em 2014 após a morte de Eduardo Campos, a ex-senadora foi duramente boicotada pelo PT e acabou ficando de fora do segundo turno.

Marina Silva no JN

Ao JN, Marina Silva disse que o impeachment de Dilma Rousseff não foi golpe, mas criticou Temer; a candidata da Rede ainda afirmou que hoje não se aliaria a Aécio
Divulgação/Rede Sustentabilidade
Ao JN, Marina Silva disse que o impeachment de Dilma Rousseff não foi golpe, mas criticou Temer; a candidata da Rede ainda afirmou que hoje não se aliaria a Aécio

Última candidata a ser entrevistada pelos apresentadores do JN, Marina respondeu a questionamentos sobre a difícil criação de seu partido, defendeu o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, que em sua opinião “não foi golpe”, e justificou ao eleitor o apoio dado a Aécio Neves (PSDB) no segundo turno das eleições de 2014.

Leia também: Marina Silva defende impeachment e fala sobre governabilidade ao JN

Ao final, Marina Silva disse que quer um país onde "nenhuma pessoa tenha que passar pela humilhação de não ter um trabalho para sustentar sua família" e que não traz somente um discurso, mas sim uma trajetória. "Sou mulher, negra, fui seringueira, empregada doméstica, me alfabetizei. Mão quero um país de exceção, mas um país de regras, e ambientalmente sustentável", finalizou a candidata da Rede.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários