Para Raul Jungmann, ministro da Segurança Pública, país carece de política unificada de segurança
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 22.9.17
Para Raul Jungmann, ministro da Segurança Pública, país carece de política unificada de segurança

Raul Jungmann, ministro da Segurança Pública, lamentou, em um fórum organizado pelo jornal O Estado de S. Paulo , a maneira como os assuntos de sua pasta são conduzidos no Brasil de forma geral. Para ele, o país carece de uma política nacional unificada sobre o tema, de forma a atacar os principais gargalos que impedem a melhoria dos indicadores criminais e sociais.

Leia também: Ministro sugere que intervenção no Rio se estenda por mais um ano

"O Brasil não tem política nacional de segurança pública. Se olharmos as sete Constituições [que já vigoraram no país], nunca conseguimos ter um rumo para a segurança pública, ela sempre foi concebida como responsabilidade dos Estados", criticou o ministro Raul Jungmann .

Para o ministro, o foco desta política deveria ser a prevenção da criminalidade nas periferias das grandes cidades. Jungmann chamou a atenção para o contexto social que cerca as práticas criminosas no país.

"Fala-se muito de repressão, mas o coração da tragédia está localizado numa juventude de periferia de 15 a 24 anos. Eles têm três vezes mais capacidade de matar e morrem três vezes mais. Têm baixa educação, pouca renda e geralmente vêm de lares desagregados", explicou o ministro.

Outro dos gargalos, lembrou Jungmann, é o próprio sistema prisional brasileiro. Controlado por facções criminosas, eles funcionam como local de arregimentação de novos membros.

"Quando entra no presídio, todo jovem para sobreviver tem de fazer um juramento e fazer parte de uma facção", lamentou Jungmann.

Você viu?

Raul Jungmann comenta intervenção, caso Marielle e desarmamento

Marielle foi morta após o início da intervenção. Raul Jungmann admite que polícia ainda não tem solução para o caso
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 15.3.18
Marielle foi morta após o início da intervenção. Raul Jungmann admite que polícia ainda não tem solução para o caso

Outro dos participantes do colóquio organizado pelo jornal O Estado de S. Paulo , o coronel reformado da Polícia Militar José Vicente da Silva Filho sugeriu “municipalizar a ação policial” como forma de efetivar o combate ao crime no país.

Leia também: Celulares de membros do PCC revelam "genocídio no País", diz Polícia Civil

Ele também falou sobre a impunidade no país. De acordo com o coronel, “apenas 5%” dos que cometem homicídio no Brasil acabam presos.

Silva Filho também criticou a forma como se deu a intervenção militar na segurança pública do Rio de Janeiro. "Temos que tomar muito cuidado com esse modelo de intervenção fortemente repressiva e militarizada", comentou o militar.

Sobre a investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, assassinados no centro do Rio de Janeiro, o ministro disse que ainda não há provas de que os dois acusados presos – o policial militar reformado Alan de Morais Nogueira e o ex-bombeiro Luis Cláudio Ferreira Barbosa – tenham envolvimento no crime.

“Quando o crime organizado controla territórios, começa a ter uma projeção na política, na polícia, nos órgãos de controle”, acrescentou Jungmann.

Por fim, o ministro Raul Jungmann disse não acreditar que a liberação do porte de armas seja a solução dos muitos problemas da segurança brasileira. Ele afirma que ajustes pontuais podem ser feitos ao Estatuto do Desarmamento, mas é contra o projeto que revoga o estatuto, que tramita no Congresso Nacional.

Leia também: Polícia prende homem suspeito de participar da execução de Marielle Franco

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários