André Puccinelli (MDB), ex-governador de Mato Grosso do Sul
Reprodução/Facebook
André Puccinelli (MDB), ex-governador de Mato Grosso do Sul

O ex-governador de Mato Grosso do Sul e pré-candidato à reeleição pelo MDB, André Puccinelli foi preso na manhã desta sexta-feira (20) pela Polícia Federal (PF).

Leia também: Acusado de corrupção dentro da Papuda, Luiz Estevão teria doado imóvel a agente

Além dele, foram presos os advogados André Puccinelli Júnior, filho do ex-governador de Mato Grosso do Sul , e João Paulo Calves. Os mandados de prisão foram expedidos pela 3ª Vara Federal de Campo Grande a pedido do Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com a PF, o pedido de prisão foi feito com base na decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em maio de 2018, relativa à 5ª fase da  Operação Lama Asfáltica , deflagrada em 14 de novembro de 2017, que havia determinada a prisão preventiva de outros oito réus do mesmo caso.

Sobre a operação que prendeu ex-governador de Mato Grosso do Sul

A 5ª Fase da Operação Lama Asfáltica, chamada de Papiros de Lama , foi deflagrada com objetivo de combater uma organização criminosa que desviava recursos públicos. Eles são acusados, entre outros crimes, de fraudar licitações e superfaturar obras, causando um prejuízo ao Erário de mais de R$ 235 milhões.

Você viu?

Leia também: Pedido de vista adia decisão do TRF-4 sobre recurso de Eduardo Cunha

Os presos fizeram exames de corpo de delito no Instituto Médico-Legal e foram detidos na sede da Superintendência da PF em Campo Grande, onde aguardam a “disponibilidade das vagas nos presídios correspondentes as suas prerrogativas”, diz a PF.

Puccinelli, o filho e João Calves já haviam sido presos no ano passado, durante  a Operação Papiro de Lama, uma das fases da Lama Asfáltica, mas foram colocados em liberdade por força de um habeas corpus concedido pelo desembargador Paulo Fontes, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), em caráter liminar (decisão provisória).

Renê Siufi, advogado do ex-governador de Mato Grosso do Sul , disse ao jornal O Globo não haver provas de que seu cliente cometeu atos ilegais. "Não tem prova nova. É tudo velho. O que me espanta é isso ser feito à véspera da convenção do partido. Ele é candidato novamente ao governo do estado e a convenção estava marcada para este sábado. Não tem nada ilegal no Instituto”, disse o defensor.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Geddel Vieira Lima é transferido para a ala de segurança máxima na Papuda

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários