Geddel Vieira Lima voltou a ser preso após a Polícia Federal ter encontrado R$ 51 milhões em um apartamento
Valter Campanato/Agência Brasil - 6.9.2016
Geddel Vieira Lima voltou a ser preso após a Polícia Federal ter encontrado R$ 51 milhões em um apartamento

O ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB) foi absolvido do crime de embaraço às investigações das operações Cui Bono e Sépsis , da Polícia Federal, que apuram desvios na Caixa Econômica Federal. A decisão desta quarta-feira foi do juiz federal Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília.

O Ministério Público Federal (MPF) acusava Geddel Vieira Lima de tentar evitar a delação premiada do empresário Lúcio Funaro, operador financeiro do suposto esquema de corrupção. 

De acordo com o MPF, o ex-ministro teria atuado para constranger Funaro, telefonando por diversas vezes para a esposa dele, Raquel Pitta, quando o operador já estava preso, com objetivo de convencê-lo a não se tornar um delator.

Ao absolver Geddel, o juiz entendeu que não há provas que o ex-ministro tenha atrapalhado as investigações . “Não há prova de que os telefonemas tenham consistido em monitoramento de organização criminosa, tampouco de que ao mandar um abraço para Funaro, nos telefonemas dados a Raquel, o acusado Geddel de maneira furtiva, indireta ou subliminar, mandava-lhe recados para atender ou obedecer à organização criminosa”, decidiu.

Em 2017, Geddel foi preso, por determinação do próprio juiz Vallisney, por causa das acusações de obstrução das investigações. Mas, em seguida, o ex-ministro foi beneficiado com um habeas corpus concedido pelo desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, sediado em Brasília. 

Você viu?

No entanto, após ganhar liberdade, Geddel voltou a ser preso após a Polícia Federal ter encontrado R$ 51 milhões em um apartamento de Salvador e que foram atribuídos a ele pelos investigadores. Atualmente, ele está custodiado na penitenciária da Papuda, em Brasília .  Segundo os advogados do ex-ministro, a origem dos R$ 51 milhões decorre da "simples guarda de valores em espécie". 

Geddel Vieira Lima réu

Em maio, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou uma denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e tornou o ex-ministro e mais quatro pessoas rés por lavagem de dinheiro e associação criminosa no inquérito que apura a origem dos R$ 51 milhões apreendidos em apartamento em Salvador (BA).

A denúncia oferecida pela PGR indica, conforme sintetizou o ministro Edson Fachin em seu relatório, que o dinheiro movimentado nas operações de lavagem da família Vieira Lima tem três origens: corrupção na  Caixa Econômica Federal, propina paga pelo Grupo Odebrecht, e a apropriação de remunerações pagas pela Câmara dos Deputados a assessores.

A PGR destacou em manifestação enviada ao Supremo que a "gravidade dos fatos narrados" a partir da citação das provas juntadas à denúncia, além de depoimentos e de documentos já reunidos em outras investigações que estão em andamento ou já resultaram em denúncias.

Para a PGR, não restam dúvidas de que  Geddel Vieira Lima , Lúcio e Marluce atuaram de forma conjunta com o propósito de  ocultar a origem, localização, disposição, movimentação e a propriedade de cifras milionárias de dinheiro vivo “proveniente diretamente de infrações penais como corrupção, peculato, organização criminosa”. 

* Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários