Ministro do STF concedeu prisão domiciliar a Gustavo Ferraz, ex-assessor de Geddel que deixou impressões digitais em pacotes de dinheiro em meio aos R$ 51 milhões apreendidos na Bahia; ex-ministro também deixou digitais

Malas de dinheiro apreendidas em imóvel usado por Geddel Vieira Lima
REPRODUÇÃO/POLÍCIA FEDERAL
Malas de dinheiro apreendidas em imóvel usado por Geddel Vieira Lima

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin manteve a prisão preventiva do ex-ministro Geddel Vieira Lima, mas decidiu conceder benefício de prisão domiciliar ao ex-assessor do peemedebista, Gustavo Ferraz – que também havia sido detido em razão da  apreensão dos R$ 51 milhões encontrados em apartamento usado por Geddel em Salvador (BA).

O relator dos processos da Lava Jato no Supremo justificou sua decisão em manter Geddel Vieira Lima preso alegando que as investigações já "evidenciaram indícios do recebimento de vantagens ilícitas compatíveis com o montante apreendido". 

"Todo esse cenário evidencia, a não mais poder, a imperiosa necessidade de decretação da prisão preventiva como forma de se estancar a atividade delitiva em curso", escreveu o ministro Fachin.

Essa já é a segunda vez neste ano que Geddel é preso. A primeira delas foi em julho, quando o ex-ministro foi flagrado contatando a esposa do lobista Lúcio Funaro, Raquel Pitta, para supostamente tentar impedir que o doleiro firmasse um acordo de delação premiada.

Já em relação a Gustavo Ferraz, o ministro aceitou manifestação da Procuradoria-Geral da República e considerou que as conclusões sobre a situação de Geddel "não se estendem" ao advogado e aliado do ex-ministro. 

Além de Geddel e de seu ex-assessor, o deputado Lúcio Vieira Lima (irmão do ex-ministro) também é investigado por suposto envolvimento no armazenamento dos R$ 51 milhões. Ele teve o gabinete na Câmara dos Deputados vasculhado por mais de quatro horas por agentes da Polícia Federal no início desta semana.

As suspeitas contra o parlamentar decorrem da localização, em meio às malas de dinheiro, de uma fatura que pertencia a uma funcionária do deputado Lúcio Vieira.

O apartamento no qual o dinheiro foi encontrado pertence ao empresário Silvio Silveira, que disse em depoimento à Polícia Federal que emprestou o imóvel a Lúcio Vieira Lima. O parlamentar e Geddel disseram ao empresário que usariam o apartamento para armazenar pertences do pai deles, que morreu no início do ano passado.

Ex-articulador político do governo de Michel Temer (PMDB), Geddel é investigado por atuar em esquema criminoso envolvendo fundos de financiamento controlados pela Caixa Econômica Federal. Ele foi vice-presidente de Pessoa Jurídica do banco e é suspeito de receber propina em troca de favorecimento a empresas que pleiteavam financiamentos para projetos.

Perícia encontra digitais de Geddel e de Gustavo Ferraz em pacotes de dinheiro

Perícia encontrou impressões digitais de Geddel Vieira Lima em sacos de dinheiro
REPRODUÇÃO/POLÍCIA FEDERAL
Perícia encontrou impressões digitais de Geddel Vieira Lima em sacos de dinheiro

A Polícia Federal encontrou impressões digitais de Geddel e de Gustavo Ferraz em sacos de dinheiro que estavam nas malas e caixas que armazenavam a fortuna apreendida em Salvador.

Um laudo de perícia papiloscópica concluído pela PF no dia 5 de setembro e enviado à Justiça no mês passado indica que foram encontradas marcas dos dedos mínimo e médio da mão esquerda de Geddel em dois sacos plásticos que continham cédulas de R$ 100.

Sobre essa perícia, Fachin escreveu em sua decisão que ela representa "forte indício a confirmar a autoria contemporânea do delito de lavagem de dinheiro que, somado ao histórico processual, revela a insuficiência das medidas cautelares diversas da prisão até então impostas".

Já Gustavo Ferraz deixou impressões do seu dedo anelar direito em outro embrulho, cuja identificação dizia conter a quantia de R$ 100 mil.

Outra perícia já havia demonstrado que havia  logotipos da construtora OAS estampados em maços de dinheiro e no couro de uma das malas que guardavam a fortuna do ex-articulador político do governo Temer.

Em depoimentos prestados à Procuradoria-Geral da República (PGR), o lobista Lúcio Funaro disse que enviou a Salvador, a pedido de Geddel, uma  caixa com R$ 1 milhão retirados em 2014 do escritório do ex-assessor de Temer José Yunes em São Paulo. O dinheiro foi, segundo o próprio Funaro e delatores da Odebrecht, enviado pela construtora como doação via caixa-dois para campanhas do PMDB.

Os investigadores da Polícia Federal ainda não confirmaram se o dinheiro enviado por Funaro estava em meio aos R$ 51 milhões apreendidos no apartamento usado por Geddel Vieira Lima.

Leia também: Funaro detalha esquema envolvendo Temer e cúpula do PMDB; entenda a delação aqui

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.