Tamanho do texto

Ex-ministro fechou os termos da delação com delegados responsáveis pelas investigações da Lava Jato após os procuradores do MPF rejeitarem o acordo

Ex-ministro dos governos do PT, Antonio Palocci assinou acordo de delação premiada com a Polícia Federal
Antonio Cruz/Agência Brasil - 16.11.2010
Ex-ministro dos governos do PT, Antonio Palocci assinou acordo de delação premiada com a Polícia Federal

Após o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizar a Polícia Federal a firmar acordos de delação premiada, o desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), sediado em Porto Alegre, homologou nesta sexta-feira (22) os depoimentos de delação premiada do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci.

Os depoimentos do acordo de delação premiada estão em segredo de Justiça , e o conteúdo não foi divulgado. Palocci está preso desde setembro de 2016 em função das investigações da Operação Lava Jato.

O ex-ministro fechou os termos da delação com delegados responsáveis pelas investigações da Lava Jato após os procuradores do Ministério Público Federal (MPF) rejeitarem o acordo. O ex-ministro foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a 12 anos, dois meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em um dos processos da operação.

STF autorizou justiça a fechar acordos

Na quarta-feira (20), o STF confirmou  a validade da autorização legal para que delegados das polícias Civil e Federal possam negociar acordos de delação, conforme previsto na Lei de Organizações Criminosas. Por 10 votos a 1, os ministros entenderam que delegados podem usar os depoimentos de colaboração como instrumento de obtenção de provas durante a investigação.

Leia também: Áudio da JBS não tem nada contra ministros do Supremo, diz Cármen Lúcia

A decisão terá impacto nos acordos de delação de investigados na Operação Lava Jato que não conseguiram assinar acordos com a força-tarefa de procuradores do Ministério Público, mas que tentaram acordo com a Polícia Federal , como o publicitário Duda Mendonça e o ex-ministro Antônio Palocci. Com a decisão do STF, a Justiça poderá decidir sobre a homologação dos acordos.

Em 2016,  a Procuradoria-Geral da República (PGR) questionou a norma no Supremo. Na ocasião, o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, alegou que a possibilidade de a PF realizar acordos enfraquece a atribuição exclusiva do Ministério Público de oferecer denúncia contra criminosos.

A PGR também sustentou que delegados não têm a prerrogativa de oferecer prêmios ao colaborador, uma vez que cabe somente ao Ministério Público o papel de apresentar denúncia contra o criminoso.

Leia também: Lula é o mais preparado para acelerar o crescimento da economia, diz Datafolha

Durante a tramitação do processo, associações de classe ligadas aos delegados, como a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), discordaram da PGR e consideraram que a tentativa de impedir que delegados possam propor a assinatura de acordos de  delação premiada  era um retrocesso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.