Tamanho do texto

Segundo registros do governo britânico, Brasil "abriu mão" de indenização por compra superfaturada de fragatas durante mandatos de Médici e Geisel

Fragata Constituição é um dos navios comprados do Reino Unido durante a ditadura militar
DIVULGACAO/REPRODUÇÃO
Fragata Constituição é um dos navios comprados do Reino Unido durante a ditadura militar

Depois do memorando secreto norte-americano,  agora é a vez de documentos confidenciais do Reino Unido chamarem a atenção por conterem informações sobre a ditadura militar no Brasil. Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo deste sábado (2), registros secretos do governo britânico relatam que o governo brasileiro atuou para abafar uma investigação de corrupção na compra de navios de escolta construídos na Inglaterra durante os anos 1970.

Os papéis mostram que os governos dos generais Emílio Garrastazu Médici (1969-1974) e Ernesto Geisel (1974-1979) abafaram o caso de fraude milionária. Isso porque, de acordo com os registros, em 1978, o governo britânico queria investigar a denúncia de superfaturamento na compra de equipamentos para a construção dos navios vendidos ao Brasil. O Reino Unido ainda ofereceu o pagamento de uma indenização de 500 mil libras (algo que, hoje, equivale a 3 milhões de libras ou R$ 15 milhões) – o que foi rejeitado pela ditatura militar .

Leia também: Ministro diz que documento da CIA sobre ditadura é “assunto para historiador”

Tal ação gerou estranhamento em Londres. “Os brasileiros claramente desejaram manter o assunto de forma discreta. É evidente que não gostariam que mandássemos um time de investigadores e não iriam colaborar com um, se ele fosse. O embaixador concluiu que o risco de sérias dificuldades com autoridades brasileiras, o que poderia ser levantado por uma investigação, não deve ser assumido”, diz um trecho do documento secreto revelado pela Folha .

Superfaturamento de navios

O caso dos navios está em uma pasta de documentos diplomáticos chamada “Alleged fraud and corruption by Vosper Thornycraft (UK) with government of Brazil”. No total, há 139 páginas de registros históricos sobre o caso de corrupção no período a partir de 1977.

De acordo com esses papéis, houve um acordo firmado entre Brasil e Reino Unido para a compra de seis fragatas , sendo que quatro foram construídas nos estaleiros da empresa Vosper, no sul da Inglaterra, e duas, no Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ). Todos os navios continuam sendo utilizadas pela Marinha Brasileira.

Leia também: Itamaraty vai pedir acesso a documentos da CIA sobre ditadura militar de 64

A investigação realizada em Londres nos anos 70 revela que o estaleiro contratado para construir os navios pediu desconto aos fornecedores dos equipamentos, mas as notas fiscais saíam com o preço sem o desconto. Porque o governo britânico se tornou dono do estaleiro depois do contrato com o Brasil, houve o contato para que a apuração de corrupção fosse realizada e que o pagamento da indenização fosse feita – o que foi recusado.

Em determinado trecho dos papéis britânicos sobre o caso durante a ditadura militar , é revelado que o governo brasileiro preferia “que o assunto fosse ‘deixado de lado’ o mais rapidamente possível”. E que “o governo inglês fica sem entender por que o brasileiro não quis receber de volta o valor numa ordem de 500 mil libras”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.