Tamanho do texto

Caminhoneiros querem a redução de 10% do preço do diesel por seis meses; equipe econômica é convocada para calcular impacto nos cofres públicos

Presidente Michel Temer se reuniu com ministros e assessores no Alvorada para discutir greve de caminhoneiros
Alan Santos/PR - 18.3.18
Presidente Michel Temer se reuniu com ministros e assessores no Alvorada para discutir greve de caminhoneiros

Michel Temer se reuniu na manhã de domingo (27), no Palácio do Planalto, com sua equipe de ministros para avaliar o andamento das negociações para o fim da greve dos caminhoneiros .

Leia também: Governo tem nova rodada de reuniões em busca de propostas para encerrar a greve

A classe apresentou novos pedidos: a redução de 10% do preço do diesel diretamente na bomba, válida por dois meses. A equipe econômica foi chamada ao Palácio, e estiveram na reunião os ministros da Fazenda, Eduardo Guardia, do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, e o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid.

Quando das primeiras exigências dos caminhoneiros quanto a mudanças nos preços da Petrobras, a área econômica foi consultada para calcular o impacto das reivindicações nos cofres públicos. A paralisação entra neste domingo (27) no sétimo dia e segue causando desabastecimento de combustíveis e alimentos em quase todo o país.

A reunião do gabinete de crise que monitora os protestos começou por volta das 9h, sem a presença de Temer. Depois, o presidente se reuniu em seu gabinete com alguns ministros para continuar as conversas, entre eles Eliseu Padilha, da Casa Civil, Torquato Jardim, da Justiça, Carlos Marun, da Secretaria de Governo, e Sergio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional.

Está prevista uma segunda reunião às 17h e uma manifestação do governo sobre o avanço das negociações e o panorama geral no país.

Leia também: “Brasil não será refém de egoísmo dos caminhoneiros”, diz ministro

Estiveram ainda no Palácio do Planalto os ministros de Minas e Energia, Moreira Franco, da Segurança Pública, Raul Jungmann, e a advogada-Geral da União, Grace Mendonça. O secretário executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki, também participou da reunião.

“Buscar soluções”

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, afirmou que o foco das ações em torno da greve dos caminhoneiros é “buscar a solução da crise sem conflitos”.

Em sua conta no Twitter, o general voltou a dizer que o bem-estar social deve prevalecer sobre “interesses pontuais” e “privilegiar o abastecimento de itens imprescindíveis”.

“Desejamos, o mais rápido possível, a solução desse desafio, a fim de mitigar as dificuldades crescentes da população. Reafirmamos como diretriz operacional o foco no bem-estar social e na perene negociação para evitar conflitos entre os atores diretamente envolvidos”, declarou.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Temer autoriza servidores públicos a conduzirem caminhões para desbloquear vias

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.