Tamanho do texto

Categoria disse que o governo não apresentou propostas que levem ao fim da paralisação dos caminhoneiros; um novo encontro foi marcado para amanhã

Reação do governo Michel Temer à greve ocorre neste que já é o terceiro dia de paralisação dos caminhoneiros
shutterstock
Reação do governo Michel Temer à greve ocorre neste que já é o terceiro dia de paralisação dos caminhoneiros

O presidente Michel Temer afirmou, nesta quarta-feira (23), que pediu aos caminhoneiros grevistas uma "trégua" de dois ou três dias para encontrar o que chamou de uma "solução satisfatória" sobre o preço dos combustíveis.

Leia também: Congonhas e mais quatro aeroportos só têm combustível até hoje, alerta Infraero

A declaração de Michel Temer foi dada após o presidente participar de um evento no Palácio do Planalto. A reação do governo à greve ocorre neste que já é o terceiro dia de paralisação dos caminhoneiros.

"Desde domingo, estamos trabalhando nesse tema para dar tranquilidade não só ao brasileiro, que não quer ver paralisado o abastecimento, e tentando encontrar uma solução que facilite a vida dos caminhoneiros", afirmou o presidente.

'Governo da negociação' que não conseguiu um acordo

Enquanto Temer falava com jornalistas, ocorria uma reunião dos ministros da Casa Civil, Transportes e Secretaria de Governo com representantes de caminhoneiros. Após o encontro, ministros do governo deram declarações à imprensa.

Leia também: Greve de caminhoneiros causa desabastecimento em SP e RJ

"O presidente Temer caracterizou o seu governo como o do diálogo, da negociação", ressaltou o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. "Estamos negociando com a categoria", continuou.

No entanto, os representantes dos caminhoneiros afirmaram, assim que deixaram a reunião de hoje com os ministros de Temer , que o governo não apresentou propostas que levem ao fim da paralisação da categoria.

De acordo com o presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, um novo encontro ficou agendado para amanhã (24). A expectativa é que o governo apresente respostas às reivindicações dos caminhoneiros.

“Não houve nenhuma proposta efetiva que possamos levar para a categoria. A proposta deles foi pedir um prazo para nós para que eles se posicionem amanhã às 14h”, disse o presidente da CNTA. Segundo ele, a categoria não vai desmobilizar a paralisação antes de ter um compromisso real de Michel Temer com soluções para as demandas apresentadas.

Leia também: Governo entra com liminar para proibir protestos de caminhoneiros em rodovias

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.