Tamanho do texto

Alunos e ex-alunos criticaram nota publicada em nome da instituição de ensino particular, que é conhecida como uma das mais elitizadas de SP

Temer precisou sair às pressas após ser hostilizado no início da semana, no centro da capital; ESPM tem evento com ele
Reprodução/Globonews
Temer precisou sair às pressas após ser hostilizado no início da semana, no centro da capital; ESPM tem evento com ele

A Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), localizada na capital paulista, informou em nota oficial que o presidente da República, Michel Temer , iria participar de um evento na instituição, nesta sexta-feira (4). Em um trecho do comunicado, divulgado nesta quinta (3) pelas entidades estudantis, ficava claro que protestos dentro da faculdade não seriam tolerados. No entanto, a faculdade nega que tenha escrito o trecho que causou polêmica.

Leia também: Temer é hostilizado em passagem rápida por local do desabamento de prédio em SP

“Vale ressaltar que é de extrema importância a educação para com o presidente, possuindo sempre uma postura exemplar de respeito. Sendo assim, protestos dentro da faculdade não serão tolerados”, diz o texto publicado pelas entidades estudantis da  ESPM em suas redes sociais. De acordo com a assessoria da faculdade, no entanto, esse trecho não estava no comunicado enviado às entidades.

Na nota oficial, a instituição ressaltava que a presença de Temer nas dependências do campus "engrandece o trabalho desenvolvido por alunos e professores da RI, sobre o Risco de Negócios Internacionais". 

O presidente chegou à faculdade pela manhã. Segundo informações do jornal O Estado de S.Paulo , sua presença no evento estava programada há um ano, quando a publicação, desenvolvida por alunos e professores do curso de Relações Internacionais, começou a ser produzida.

Apesar do veto publicado nas redes sociais, estudantes recepcionaram o presidente com gritos de 'Fora Temer'. Veja no vídeo:

Repercussão e preparação para evento

Nas redes sociais, alunos e ex-alunos da faculdade criticaram a nota publicada em nome da diretoria da instituição. “Como que chamava mesmo aquela época que proibiam protestos no ambiente acadêmico?”, questionou uma aluna, referindo-se ao regime militar.

Leia também: “Não me incomoda minimamente”, diz Temer sobre vaias em SP

Outro estudante ainda ressaltou o que chamou de "quase incitação a movimentos que podem gerar conflitos entre os próprios alunos", devido ao "cunho do momento político do país e o histórico do presidente". "Trazê-lo é uma decisão da qual as possíveis consequências não foram medidas. Boa sorte pra quem ta se aventurando a organizar isso haha", concluiu.

Alguns alunos chegaram a sugerir um boicote ao evento, que espera receber cerca de 80 alunos, além dos jornalistas credenciados. 

Para receber o presidente, a rua que dá acesso à faculdade teve de ser fechada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a passagem que dá acesso ao auditório, isolada. Temer deverá conceder uma rápida coletiva após o final do evento.

Leia também: Michel Temer é hostilizado durante caminhada com Rodrigo Maia e ministros

"O fluxo de entrada de veículos ao estacionamento não será possível entre 9hrs e 13h, pois estará bloqueado", diz a instituição, na mesma nota. Além disso, foi ressaltado que todos os alunos da ESPM terão que portar suas carteirinhas para entrarem no prédio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.