Tamanho do texto

Manifesto assinado por PT, PDT, PSOL, PSB, PCdoB, PCB, PCO, Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo defende eleições livres, manutenção de direitos sociais e enfrentamento à violência da extrema-direita

Entre os partidos signatários, cinco deverão contar com representantes nas eleições presidenciais deste ano
Reprodução
Entre os partidos signatários, cinco deverão contar com representantes nas eleições presidenciais deste ano

Os principais partidos e movimentos que fazem oposição ao governo de Michel Temer (MDB) se uniram na criação do “ Manifesto pela Democracia, Soberania Nacional e Direitos do Povo Brasileiro ”. Divulgado na segunda-feira (16), o documento foi assinado pelos presidentes do PT, PDT, PSOL, PSB, PCdoB, PCB, PCO , Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Leia também: Deputados do Psol vão à Justiça contra posse de Moreira Franco

Entre os partidos signatários, cinco deverão contar com representantes nas eleições presidenciais deste ano: o PDT de Ciro Gomes, o PSOL de Guilherme Boulos, o PCdoB de Manuela D´Ávila, o PT de Lula da Silva e o PSB de Joaquim Barbosa.

O manifesto tece duras críticas à gestão de Temer e pede a união dos setores progressistas em nome da defesa dos direitos sociais prometidos pela Constituição de 1988.

“O Brasil vive dias sombrios”, diz o documento, que prossegue: “a retirada de direitos, promovida de maneira acelerada pelo governo de Michel Temer e sua base parlamentar, é parte de um preocupante surto autoritário. A violência, o ódio e a intolerância disseminados nas redes sociais, incitados por estratégias de comunicação da mídia tradicional, se arrogam a pretensão de pautar a agenda política nacional, tratando o Estado Democrático de Direito como se fosse apenas um empecilho anacrônico em seu caminho”.

Leia também: Empresário diz que coronel Lima arrecadava dinheiro para Temer

O manifesto relembra a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, apontando que ela demonstra a escalada da violência fascista contra defensores dos interesses do povo. Cita também os ataques à caravana do ex-presidente Lula como outro indício da “espiral de violência”.

O texto conclui convocando partidos, a sociedade civil, movimentos sociais, professores, a comunidade jurídica e científica, artistas e religiosos para “articular a resistência democrática aos atentados contra o estado de direito”.

“Os partidos que subscrevem esse manifesto convocam todos os setores sociais comprometidos com os valores democráticos à formação de uma ampla frente social. Essa frente, que não tem finalidades eleitorais, buscará estimular um amplo debate nacional contra o avanço do ódio, da intolerância e da violência”, arremata o manifesto .

Leia também: Rede protocola novo pedido de impeachment de Michel Temer na Câmara