Tamanho do texto

Líder nas pesquisas eleitorais, Lula está preso desde o último sábado (7), na sede da Polícia Federal em Curitiba. Este é o segundo recurso que a defesa do apresenta à Corte desde que o ex-presidente teve a prisão decretada

Lula é cercado por apoiadores no momento de sua entrega à PF
Francisco Proner Ramos
Lula é cercado por apoiadores no momento de sua entrega à PF

Os advogados do ex-presidente Lula entraram com um novo recurso no Supremo Tribunal Federal ( STF ) para anular o mandado de prisão expedido pelo juiz Sérgio Moro. A defesa pede que o líder petista aguarde em liberdade o fim dos recursos da condenação na ação penal do tríplex do Guarujá.

Leia também: PGR denuncia Jair Bolsonaro por racismo e seu filho por ameaças à jornalista

Líder nas pesquisas eleitorais, Lula  está preso desde o último sábado (7), na sede da Polícia Federal em Curitiba . Este é o segundo recurso que a defesa do apresenta à Corte desde que o ex-presidente teve a prisão decretada, no dia 5 de abril.

O advogado Sepúlveda Pertence, ex-ministro do STF , argumenta que a decisão que autorizou o juiz Moro a decretar a prisão de Lula é ilegal. Para o defensor do petista, o tribunal extrapolou o que foi decidido no STF quando do julgamento das ações que permitiram a prisão após o fim dos recursos na segunda instância da Justiça, em 2016.

O ex-ministro alega que o fim dos recursos só se dá com a chegada dos recursos especial e extraordinário ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao STF. O ex-presidente só poderia ter a pena executada após a admissão dos recursos especial e extraordinário para os dois tribunais.

“Enquanto o STF afirmou que, exaurida a jurisdição ordinária, a prisão em segunda instância é uma possibilidade que não compromete o princípio da presunção de inocência, o ato reclamado decidiu que, havendo acórdão condenatório, o cumprimento de pena deve ter início, sem outras considerações”, diz a defesa.

Fim da segunda instância

No entendimento dos advogados, Lula não poderia ter sido preso por determinação de Sérgio Moro após a decisão do TRF4 que rejeitou os primeiros embargos contra a condenação.

Leia também: Ciro Gomes e presidente do PDT pedem para visitar Lula na prisão

Na avaliação de Pertence, até que o recurso especial contra a condenação seja remetido ao STJ a condenação não pode ser executada.

“Quando se encerra a jurisdição ordinária? Ora, quando a decisão sobre a causa não estiver sob a jurisdição ordinária: ou seja, quando ela transitar em julgado, ou, havendo recurso especial ou extraordinário admitidos ou inadmitidos - nesta hipótese, em agravo, quando eles forem remetidos às Cortes Superiores".

O novo recurso será levado ao ministro Edson Fachin , que negou um pedido semelhante feito anteriormente. Se mantiver a decisão, o caso poderá ser julgado pela Segunda Turma ou pelo plenário do STF .

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Promotor que acusará Alckmin foi assessor de ex-secretário do tucano

    Leia tudo sobre: lula