Tamanho do texto

Procuradoria-Geral do município alega que local onde o ex-presidente está preso tem gerado transtornos aos moradores e a funcionários da PF

Ex-presidente Lula está preso desde o último sábado (7) por conta de condenação no caso tríplex da Lava Jato
Divulgação/Lula
Ex-presidente Lula está preso desde o último sábado (7) por conta de condenação no caso tríplex da Lava Jato

A prefeitura de Curitiba, por meio da Procuradoria-Geral do Município, solicitou nesta sexta-feira (13) à Justiça Federal do Paraná que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja transferido da Superintendência da Polícia Federal (PF) na capital, onde está preso desde sábado (7) , para outro local em Curitiba.

As justificativas são os transtornos causados aos moradores do bairro Santa Cândida, onde fica a sede da PF, além de problemas de segurança devido a manifestações pró e contra Lula nas ruas próximas ao local, que tem levado a constantes reclamações dos residentes.

No pedido, a procuradora-geral Vanessa Volpi pede que o ex-presidente seja levado para “local seguro e adequado às circunstâncias do caso, restabelecendo-se a ordem, o direito de ir e vir e a segurança da população”, e alega que é de conhecimento notório que a sede da Polícia Federal não tem estrutura para custodiar um ex-presidente da República.

“Tanto é que o próprio Sindicato dos Delegados de Polícia Federal do Estado do Paraná já solicitou a transferência imediata do ex-Presidente para outro local que possa oferecer condições de segurança e que não traga transtornos e riscos para a população e aos servidores da Polícia Federal”, argumenta no documento.

Na petição, Vanessa Volpi também afirma que o município já esgotou as providências administrativas e judiciais para o cumprimento da ordem judicial de isolamento, mas não foram suficientes para impedir a montagem do acampamento.

Leia também: Senadores aprovam inspeção em cadeia para visitar ex-presidente em Curitiba

Serviços prejudicados

De acordo com a prefeitura de Curitiba, a presença de manifestantes nos arredores da sede da PF mudou a rotina da região. No dia da prisão, a Justiça Estadual do Paraná acatou pedido da prefeitura para que fossem proibidas manifestações e acampamentos nos arredores da sede.

A Polícia Militar isolou a área, mas os manifestantes favoráveis ao ex-presidente montaram um acampamento nas imediações do bloqueio policial, ocupando ruas e calçadas e dificultando a execução de serviços como reparos à iluminação pública e a coleta de lixo da região, conforme a prefeitura.

Segundo o governo local, há pelo menos dez postes apagados aguardando manutenção no bairro ocupado. “O restabelecimento da iluminação pública em pontos da região do bairro Santa Cândida, em especial na área ocupada por manifestantes, nas proximidades da Superintendência da Polícia Federal (PF), não está sendo possível devido à falta de acesso dos veículos que fazem a manutenção. Na região há cerca de 500 pessoas acampadas permanentemente, número que chega a mil em determinadas horas do dia”, informou a prefeitura.

Leia também: TRF marca para semana que vem análise do último recurso do ex-presidente no caso tríplex

Também houve mudança na rotina de coleta de lixo das residências que ficam na área ocupada, por falta de passagem para o caminhão. Conforme a prefeitura, a coleta dos resíduos gerados pelos manifestantes está sendo feita sem problemas, com o depósito em local combinado com os líderes do ato pró Lula .

* Com informações da Agência Brasil