Presidente da Câmara, Rodrigo Maia disse que recursos para intervenção no RJ só devem sair no segundo semestre
Alex Ferreira/Câmara dos Deputados - 20.3.18
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia disse que recursos para intervenção no RJ só devem sair no segundo semestre

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira (20) que a liberação de recursos para bancar as ações da intervenção federal no Rio de Janeiro depende da aprovação, no Congresso, do projeto que reverte a política de desoneração da folha de pagamento.

Maia disse que aprovação dessa proposta pode trazer arrecadação adicional capaz de liberar a quantia de R$ 3 bilhões pedidos pelo general Braga Netto , responsável pelas ações na segurança pública do Rio. Apesar disso,  Rodrigo Maia avaliou que essa verba só poderá ser disponibilizada a partir do segundo semestre do ano.

"Já temos o projeto e podemos rapidamente avançar na Câmara e, depois, no Senado. Aí o presidente Michel Temer tomaria a decisão de alocar os recursos na área que entender”, disse o deputado após participar de evento sobre segurança pública em Brasília. “Em relação ao que o governo gostaria e o que a Câmara deve votar, há uma diferença de valo. Vamos concluir a tramitação só no segundo semestre, para então termos os recursos”, acrescentou. “Podem ser R$ 3 bilhões para atender o Rio e outros estados também”, avaliou.

Leia também: Ataque a tiros deixa três adultos mortos e uma criança ferida em São Gonçalo

O tributo sobre o salário

O projeto que visa aumentar a arrecadação do governo e bancar a intervenção no Rio estabelece o retorno da contribuição previdenciária sobre a folha de salários na maioria dos setores atualmente beneficiados. 

Você viu?

O texto elaborado pela equipe do Planalto tem encontrado resistências na Câmara, mas Maia afirmou que o tema se tornou prioritário neste momento em que se discute recursos para intervenção no Rio de Janeiro. De acordo com o presidente da Câmara, a ideia é aprovar ainda nesta terça-feira (20) um requerimento de urgência para a proposta e votar o texto já nessa quarta-feira (21).

O relator da proposta, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), disse que vai reduzir o total de 56 setores atualmente beneficiados pela desoneração, mas para um número maior que os seis propostos pelo Executivo. A desoneração da folha de pagamentos foi instituída em 2011 a fim de incentivar a contratação de pessoal, e a ideia inicial era que acabasse em 2014.

De acordo com Rodrigo Maia, há valores diferentes na arrecadação prevista no texto original do Executivo e no relatório de Orlando Silva, e a regra da noventena impõe uma carência de 90 dias para que a mudança em uma contribuição social passe a vigorar após a sanção da lei. É por causa desse prazo que os recursos seriam liberados para o Rio de Janeiro só no segundo semestre do ano.

Leia também: Forças Armadas planejam sair da Vila Kennedy nas próximas semanas

*Com informações e reportagem da Agência Câmara Notícias

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários