ONGs consideram intervenção federal das Forças Armadas no Rio de Janeiro inconstitucional
Tomaz Silva/Agência Brasil - 27.2.18
ONGs consideram intervenção federal das Forças Armadas no Rio de Janeiro inconstitucional

A morte da vereadora Marielle Franco (Psol), assassinada na noite desta quarta-feira (14), no bairro do Estácio, no Rio de Janeiro, não deve afetar a intervenção federal que está em curso no estado fluminense. Isso é o que garantiram alguns dos ministros do governo Michel Temer, nesta quinta-feira (15).

Leia também: Temer envia Jungmann para investigar morte de Marielle; polícia fala em execução

Além de representar o movimento negro, as mulheres e os moradores das favelas fluminenses na Câmara dos Vereadores, Marielle Franco foi escolhida, em fevereiro uma das relatoras da comissão criada para monitorar os trabalhos da intervenção federal . Isso porque a parlamentar sempre teve um posicionamento crítico à violência policial.

A tragédia desta quarta-feira tem força para abalar a intervenção, dado que a principal hipótese sustentada pelos policiais para justificar a morte da vereadora é de que ela tenha sido executada – poucos dias depois de entrar na comissão.

Indagados por jornalistas, os ministros de Temer, no entanto, descartaram qualquer abalo na segurança do Rio.

"É um assassinato. Só faltava alguém pensar que, com a intervenção, cessariam os assassinatos no Rio de Janeiro. Obviamente que nós não temos essa pretensão", disse o ministro Carlos Marun, da articulação política do governo. 

Você viu?

Leia também: Morte de vereadora do Psol no Rio repercute na imprensa internacional; veja

"O que nós temos é a pretensão do restabelecimento do exercício da autoridade e o fato de que, em breve descobriremos quem, os autores desse absurdo assassinato, é prova de que a autoridade está em restabelecimento no Rio de Janeiro", afirmou Marun.

"Mais uma tragédia diária do Rio"

Um tom semelhante ao de Marun foi adotado por Torquato Jardim, do Ministério da Justiça, que falou a respeito do crime durante a sua participação em um painel sobre corrupção no Fórum Econômico Mundial na América Latina, em São Paulo.

"Foi uma tragédia, mais uma tragédia diária do Rio de Janeiro. Lamentável. É preciso conhecer bem as razões e encontrar os responsáveis. Isso não põe em xeque a eficácia da intervenção", disse.

"O fato de ontem é uma tragédia em si, isso é uma tragédia, é mais uma tragédia inomeável das centenas que estão ocorrendo no Rio de Janeiro há muito tempo, milhares se vocês contarem vários anos. Mas vamos por partes, vamos atuar com cuidado e investigar o caso, caso a caso", afirmou o ministro.

Leia também: Para Temer, intervenção no Rio de Janeiro pode terminar já em setembro

O decreto da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro proposto e assinado por Michel Temer prevê a permanência do exército nas ruas do estado até o dia 31 de dezembro.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários