Irmão de Joesley, Wesley Batista foi a primeira pessoa a ser presa por crime de insider trading no Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 8.11.17
Irmão de Joesley, Wesley Batista foi a primeira pessoa a ser presa por crime de insider trading no Brasil

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta terça-feira (20) autorizar o empresário Wesley Batista, ex-presidente do grupo JBS, a cumprir prisão domiciliar. Joesley Batista, irmão de Wesley e pivô da maior crise atravessada pelo governo Michel Temer , também teve pedido de habeas corpus aceito, mas continuará preso na carceragem da Polícia Federal em São Paulo devido a outra ordem de prisão expedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A substituição da prisão de Joesley e  Wesley Batista por medidas cautelares foi defendida pelo relator dos pedidos de habeas corpus, ministro Rogério Schietti Cruz. Outros dois magistrados acompanharam o relator e dois divergiram, encerrando o julgamento com 3 votos a 2 em favor de mandar  Wesley Batista para casa.

O empresário estava  preso em São Paulo desde setembro do ano passado por crime de insider trader, que é o uso indevido de informação privilegiada para obter vantagens na negociação com valores mobiliários. Ele foi a primeira pessoa a ser presa por esse motivo no Brasil (Joesley também teve a prisão decretada por insider trader, mas já se encontrava detido em Brasília em decorrência de outra investigação).

Você viu?

Os crimes dos irmãos Batista

De acordo com as investigações que levaram à decretação da prisão dos irmãos Batista, Wesley e Joesley cometeram crimes contra o mercado financeiro e contra a administração do próprio grupo JBS durante as tratativas de seus acordos de colaboração premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Esses crimes foram caracterizados em operações de venda de parte das ações da JBS que pertenciam aos dois irmãos e que foram recompradas pela administração da própria JBS, então presidida por Wesley. A estratégia, segundo alegou o Ministério Público Federal (MPF) em denúncia , visava diluir o prejuízo com a desvalorização dos papéis com os demais sócios do grupo – já prevendo que essa desvalorização ocorreria após o vazamento de suas delações.

Além disso, Joesley e Wesley Batista também lideraram a compra de US$ 2,8 bilhões em dólares pela JBS visando lucrar com a alta da moeda americana nos dias que se seguiram após a divulgação das delações.

    Leia tudo sobre:

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários