Segundo o colunista Lauro Jardim, empresários afirmam ter gravação em que o presidente recomenda manter o pagamento de mesada ao ex-deputado

Michel Temer teria incentivado o pagamento de uma mesada para garantir o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha
Agência Brasil
Michel Temer teria incentivado o pagamento de uma mesada para garantir o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha

Os donos da JBS, Joesley e Wesley Batista, afirmam ter uma gravação envolvendo o presidente Michel Temer (PMDB). As informações foram publicadas na noite desta quarta-feira (17) pelo colunista Lauro Jardim, do jornal " O Globo ". De acordo com o jornalista, os empresários visitaram o Supremo Tribunal Federal (STF) na última quarta-feira (10) para confirmar ao ministro Edson Fachin o conteúdo da delação premiada que fizeram à Procuradoria-Geral da República (PGR) em abril.

Leia também: STJ vai retomar julgamento de denúncias contra governador de Minas Gerais

Segundo Jardim, Temer tomou conhecimento de que Joesley estaria dando mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB) e ao operador Lúcio Funaro para que ficassem em silêncio. O presidente teria incentivado a estratégia: "tem que manter isso viu?". O diálogo teria ocorrido por volta das 22h30 do último dia 7 de março, no Palácio do Jaburu, a residência da vice-Presidência.

Em seu depoimento à PGR, o dono da JBS afirmou que o presidente não determinou o pagamento a Cunha, mas tinha total conhecimento sobre a estratégia. Joesley teria afirmado que pagou R$ 5 milhões após a prisão de Cunha. O valor seria relacionado a uma saldo de propina que o peemebista tinha com ele.

Os dois ainda haviam acertado o pagamento de outros R$ 20 milhões por conta da tramitação de uma lei sobre uma isenção de impostos para frigoríficos como a JBS.

De acordo com o jornal " El País ", a PGR não confirmou, mas também não desmentiu as informações publicadas.

Partido dos Trabalhadores

Ainda de acordo com as informações publicadas pelo jornal, Joesley relatou que o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega era seu contato dentro do PT para efetuar as negociações sobre pagamentos de propina ao partido. O economista, que atuou nos governos de Lula e de Dilma Rousseff, ambos do PT, também seria o responsável por garantir os interesses da JBS no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Ao receber os pagamentos, Mantega seria o responsável pela distribuição da propina aos parlamentares do PT. No entanto, os delatores ligados à JBS afirmaram que Mantega não ficaria com o dinheiro para si, e sim para a distribuição entre os integrantes do partido. Em relação ao ex-ministro Antonio Palocci, Joesley afirmou que ele não interferia nos assuntos da empresa com o BNDES.

Leia também: Conselho de Ética abre processo contra Eduardo Bolsonaro por cusparada

Já sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Joesley teria dito que não tinha intimidade com ele, mas que já se reuniu com o petista e que, em pelo menos uma ocasião, ele teria manifestado preocupação em relação aos altos valores das doações feitas pela JBS aos políticos do partido, o que, segundo ele, poderia chamar a intenção de investigadores.

Aécio Neves

O presidente do PSDB e senador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), também foi flagrado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, proprietário da JBS. As informações são da reportagem publicada pelo jornal “O Globo” nesta quarta-feira (17).

O empresário apresentou um áudio, de quase 30 minutos, em que Aécio pede a ele a quantia informada, com a desculpa de que usaria para pagar gastos com sua defesa na Operação Lava Jato, em um encontro no dia 24 de março, no Hotel Unique, na capital paulista.

A gravação mostra o tucano dizendo que quer contratar o advogado Alberto Toron. Joesley pergunta como seria o repasse da verba: “se for você a pegar em mãos, vou eu mesmo entregar. Mas, se você mandar alguém de sua confiança, mando alguém da minha confiança”, propôs ele.

O senador responde: “tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do caralho”, referindo-se a seu primo, Frederico Pacheco de Medeiros, conhecido como Fred, e que já foi diretor da Cemig, e coordenador da campanha para presidência de Aécio em 2014.

O diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, um dos sete delatores da Lava Jato, foi quem entregou o dinheiro a Fred em quatro “parcelas”, sendo quatro entregas de R$ 500 mil cada, e uma delas, filmada pela PF.

Ao analisar o material, Fachin declarou não haver provas de que a verba teria sido repassada ao advogado. Segundo as imagens feitas pela PF, é possível ver que Fred entregou o dinheiro para Mendherson Souza Lima, secretário parlamentar do senador Zeze Perrella (PMDB-MG).

A quantia foi levada para Belo Horizonte por Mendherson - que foi seguido pela PF. As investigações revelaram que o pedido de Aécio não era para bancar custos com advogados, mas sim, para destinar à Tapera Participações Empreendimentos Agropecuários, de Gustavo Perrella, filho de Zeze Perrella, portanto, sem o envolvimento do advogado citado pelo tucano.

Leia também: Tribunal de Contas vê falhas em contratos para compra de trens da CPTM em SP

Internet

No Twitter, dos dez itens mais falados pelos internautas brasileiros por volta de 21h, nove eram ligados à situação de Brasília. Os seguintes termos apareciam nos trending topics: “Temer”, “Aécio”, “eu votei na Dilma”, “Joesley”, “Jornal Nacional”, “diretas já”, “Eduardo Cunha”, “República” e “Friboi”.

Outro lado

Em nota divulgada à imprensa, o presidente nega a existência de pagamento de propinas, mas confirma ter se encontrado com o empresário da JBS no início de março.

Confira a íntegra da nota do Planalto:

"O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar.

O encontro com o empresário Joesley Batista ocorreu no começo de março, no Palácio do Jaburu, mas não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República.

O presidente defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados."



    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.