undefined
Reprodução/Wikipedia
De Maceió, Teotônio Vilela foi senador, governador eleito e reeleito, além de presidente do PSDB entre os anos de 1996 e 2001

O ex-governador de Alagoas Teotônio Vilela (PSDB) é um dos alvos da nova operação da Polícia Federal (PF) deflagrada nesta quinta-feira (30). Os agentes se dirigiram à casa do tucano, em Maceió, com mandado de apreensão, onde permaneceram por mais de duas horas logo no início da manhã de hoje. As informações são do Bom dia, Brasil , da TV Globo.

Leia também: Com ventilador na mão, Rosinha Garotinho deixa a prisão nesta quinta-feira

Teotônio Vilela foi senador, governador eleito e reeleito, além de presidente do PSDB entre os anos de 1996 e 2001. Com 11 mandados de busca e apreensão, a ação da PF acontece, além de Maceió (AL), nas cidades de Salvador (BA), São Paulo (SP) e Brasília (DF).  Em Alagoas, as ações da Polícia Federal acontecem também na casa do ex-secretário Marco Fireman.

Os policiais federais saíram da casa do ex-governador tucano com apenas um malote, provavelmente de documentos encontrados no apartamento.  

A operação batizada “ Caríbdis ” investiga irregularidades nas obras do Canal do Sertão, que ocorreram entre 2009 e 2015. Os investigadores suspeitam de que um grupo tenha realizado crimes de fraude e licitação, desvio de verbas públicas, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa durante as obras.

Leia também: MPF oferece nova denúncia contra Cunha, Henrique Eduardo Alves e Lúcio Funaro

O canal

Construção com 250 quilômetros de extensão, o Canal do Sertão Alagoano tem como objetivo o remanejo de água para 42 municípios do estado que são atingidos pela seca. Assim, pelo menos um milhão de pessoas seriam beneficiadas também pela geração de empregos e irrigação de seis mil hectares de terra. O investimento da obra, oficialmente divulgado, é de 1,5 bilhão – e está inserida dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal.

 Leia também: Dois ministros votam por tornar Pimentel réu em nova ação, mas decisão é adiada
Todo o material recolhido na operação realizada hoje será encaminhado para a Superintendência da Polícia Federal em Maceió, onde será analisado. A soma das penas máximas dos crimes investigados chega a 46 anos de prisão. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários