Tamanho do texto

Presidente da República foi submetido a angioplastia após exames realizados hospital de São Paulo indicarem obstrução em 90% de artéria do coração

Michel Temer passa bem após procedimento cirúrgico e deve ter alta em dois dias
Reprodução
Michel Temer passa bem após procedimento cirúrgico e deve ter alta em dois dias


O presidente da República, Michel Temer, passa bem após ser submetido a um procedimento de angioplastia no coração, feito no Hospital Sírio-Libanês na noite de sexta-feira (24), em São Paulo. Boletim médico divulgado na madrugada deste sábado (25) informou que o procedimento foi bem sucedido e que Temer se recupera na unidade coronariana do hospital.

Leia também: Lula: “Minha candidatura é a melhor coisa que pode ajudar o Brasil”

A confirmação do sucesso do procedimento foi feita em comunicado enviado à imprensa pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República na manhã deste sábado.  Em coletiva de imprensa, a equipe médica que cuida do presidente Michel Temer enfatizou que ele permanecerá internado mais alguns dias, apenas para monitoramento de rotina, e espera-se que ele possa retomar suas atividades já na segunda-feira (27).

Em primeiro momento está estimado dois dias de internação, logo, na segunda-feira (27) ele poderia retorar as atividades normais. O doutor e professor, Roberto Kalil Filho, que cuida do presidente, afirmou durante a coletiva que as três artérias tinham mais de 90% de obstrução.  “Foi feita avaliação com o cirurgião e com a equipe de angioplastia e foi optado pelo procedimento cirúrgico para colocação de stents”, disse.

Leia também: Camarões e comidas finas são encontrados na cela de Sérgio Cabral

Kalil Filho explicou que apenas uma das artérias que estavam obstruídas era importante, logo, a angioplastia resolver o problema de Temer e tem poucas chances de retorno.  Ao ser questionado sobre o que leva a tal quadro clínico, ele levantou alguns pontos: “A hereditariedade pode ser uma das causas, assim como o tabagismo, o sedentarismo e demais fatores de risco ao coração”.

Antes de ser submetido ao procedimento cirúrgico, o presidente passou por reavaliação urológica. No dia 25 do mês passado, quando era votada a segunda denúncia contra ele por envolvimento em casos de corrupção, o presidente teve um mal súbito e foi hospitalizado em Brasília. Na data, foi constatado o aumento da próstata. Dois dias após ter sido levado às pressas ao hospital, ele foi internado em São Paulo para se tratar.

O procedimento             

O procedimento realizado em Michel Temer implantou stents em três artérias coronárias de Temer. O stent é um minúsculo tubo em forma de malha e expansível, usado para desobstrução arterial e melhorar o fluxo sanguíneo no coração. A obstrução das artérias leva menos oxigênio ao músculo cardíaco, elevando o risco de enfarto.

A intervenção não é considerada invasiva, sem cortes nem incisões. Todo ele é feito por meio de uma pequena sonda, que, no caso de Temer, foi introduzida pela artéria femural, na altura da virilha.

Leia também: Novo ministro das Cidades toma posse e enaltece governo federal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.