Tamanho do texto

Apesar do pedido feito pelo PSDB para que o deputado exerça a função de relator na vaga de outro partido, presidente da CCJ rejeitou a solicitação

Escolhido como relator para denúncia contra Temer, Bonifácio de Andrada se reuniu com os líderes do PSDB nesta quinta
Reprodução Wikipedia
Escolhido como relator para denúncia contra Temer, Bonifácio de Andrada se reuniu com os líderes do PSDB nesta quinta

A liderança do PSDB na Câmara divulgou nesta quinta-feira (5) que encaminhou à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) pedido para que o deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que deveria ser o relator da segunda denúncia que acusa o presidente Michel Temer e dois ministros, desocupe a vaga de suplente do partido na comissão. A legenda sugere ao presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), que Bonifácio exerça a função de relator na vaga de outro partido.

Leia também: Presidente da CCJ prevê votar segunda denúncia contra Temer daqui a duas semanas

Em nota de resposta, Pacheco, afirma que a escolha de Bonifácio como relator “teve critérios próprios e já amplamente divulgados, sem motivação partidária”. O presidente da CCJ reiterou que manterá Andrada na relatoria, seja pelo PSDB ou qualquer outro partido.

A decisão foi anunciada depois de reunião entre os líderes do partido tucano na Câmara, Ricardo Trípoli (SP), no Senado, Paulo Bauer (SC), o presidente da sigla, Tasso Jereissati (CE), e o próprio Bonifácio de Andrada.No encontro, Andrada teria reiterado seu interesse em se manter na relatoria da denúncia e os dirigentes do partido expuseram as dificuldades da bancada em aceitar essa decisão.

“Ele [Bonifácio] entendeu a dificuldade de relatar essa matéria pelo PSDB, em função das divergências internas que nós temos na bancada. A partir desse momento, se encontrou um caminho, que o presidente da CCJ teria interesse em tê-lo em uma outra bancada que não fosse a do PSDB, e assim ele poderia relatar a matéria. Dessa forma, nós estamos construindo esse documento que será encaminhado ao presidente da CCJ, onde essa vaga do suplente ocupada pelo deputado Bonifácio será desocupada por ele. Estamos aguardando que o presidente da CCJ diga qual vaga que ele ocupará, para que ele faça o relatório”, disse Ricardo Trípoli após a reunião.

Leia também: Temer chama segunda denúncia de "inepta e sem sentido" e ataca Rodrigo Janot

O líder ressaltou que não se trata de uma revanche à decisão de Pacheco de designar alguém do partido para a relatoria da denúncia, mesmo depois dos apelos da bancada para que o presidente da comissão não o fizesse.

Relatoria deve permanecer

A tendência é que Bonifácio ocupe a vaga de um partido da base governista. Ele, no entanto, permanece filiado ao PSDB. O líder do partido disse que a bancada será liberada para votar da forma como quiser, tanto na comissão quanto no plenário, e que acredita que a solução encontrada será suficiente para desfazer o mal-estar entre os integrantes do partido.

Desde o anúncio de que o deputado Bonifácio seria o relator, o PSDB se manifestou de forma crítica à escolha, uma vez que a bancada tucana encontra-se dividida na posição de votar favoravelmente ou contrária ao prosseguimento da denúncia na Justiça. Bonifácio foi um dos peessedebistas que votaram pelo arquivamento da primeira denúncia.

Leia também: Temer entrega defesa à Câmara e chama denúncia da PGR de 'tentativa de golpe'

*Com informações na Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.