Tamanho do texto

Presidente Michel Temer discursou no encerramento do Seminário sobre Oportunidades de Investimento promovido pela Apex-Brasil na China

Discurso de Michel Temer na cerimônia de encerramento do Seminário sobre Oportunidades de Investimento na China
Beto Barata/PR 02.09.2017
Discurso de Michel Temer na cerimônia de encerramento do Seminário sobre Oportunidades de Investimento na China

O presidente Michel Temer disse neste sábado (2), em visita à China, que o Brasil está recuperando o dinamismo da economia e voltando para o “trilho do desenvolvimento”. Em seu terceiro dia de viagem, o líder brasileiro discursou para 360 empresários no encerramento do Seminário sobre Oportunidades de Investimento promovido pela Apex-Brasil.

Leia também: Temer encontra Xi Jinping e assina acordos 'positivos para o Brasil' com a China

“Tenho a mais absoluta convicção, pelos encontros que tive nestes dois dias aqui na China, com as autoridades que gentilmente nos receberam, que a China continuará ao lado do Brasil , neste momento em que voltamos para o trilho do desenvolvimento. Sei que os empresários chineses são e seguirão sendo grandes parceiros nessa empreitada”, afirmou Temer .

Nos dois últimos dias, Temer teve reuniões com o presidente Xi Jinping, com o primeiro-ministro Li Keqiang e com o presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, Yu Zhengsheng, além dos presidentes das gigantes do setor elétrico State Grid Corporation of China e China Three Gorges Corporation, da empresa de telecomunicações Huawei e do grupo empresarial HNA.

Em seu discurso, Temer lembrou que há um ano falou a empresários chineses em Xangai sobre a agenda de reformas do seu governo para recuperar a economia. “Pois, hoje, passados 12 meses, posso dizer-lhes que a missão está sendo cumprida. O Brasil está de volta e aguardando os empresários chineses”, acrescentou.

Leia também: Em busca de interessados em concessões, Temer vai à reunião do Brics na China

Temer e os ministros do Planejamento, Dyogo Oliveira, dos Transportes, Maurício Quintella, da Agricultura, Blairo Maggi, de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, apresentaram os projetos de investimento, principalmente o pacote de concessões e privatizações de aeroportos, portos, rodovias e linhas de transmissão lançado na semana passada pelo governo.

“Só para registrar, dados muito recentes revelam que no ano passado o PIB (Produto Interno Bruto) foi negativo no Brasil, mas neste ano, no primeiro trimestre, foi de 1% e, logo agora, neste segundo semestre, mais 0,2%. Portanto, recuperação do PIB brasileiro em pouquíssimo tempo”.

Temer também falou da taxa básica de juros da economia, a taxa Selic, que passou de mais de 14% para 9,25%. “A indicar que até o final do ano talvez estejamos em 7% ou 7,5%, segundo dizem os analistas. Eu confesso que fizemos tanto nesses 15 meses que nem parece que se passaram apenas 15 meses desde que assumimos o governo.”

Atos

Encontro do presidente do Brasil, Michel Temer, com Wang Yang, vice-primeiro-ministro da República Popular da China
Beto Barata/PR 02.09.2017
Encontro do presidente do Brasil, Michel Temer, com Wang Yang, vice-primeiro-ministro da República Popular da China

No seminário, foram assinados oito atos empresariais, entre eles o termo de ratificação dos acordos para implantação do parque siderúrgico entre o governo do Maranhão e a China Brazil Xinnenghuan International Investment (CBSteel) e o protocolo de intenções entre a Itaipu e a China Three Gorges Corporation para desenvolver ações conjuntas de pesquisa nas áreas de energia renovável.

Na ocasião, também foi firmado o memorando de entendimento entre o Fundo de Investimento em Participações em Infraestrutura e a China Communication Construction Company para a aquisição do Terminal Graneleiro de Babitonga, em Santa Catarina. Ainda foram assinados acordo de cooperação entre a Petrobras e o China Development Bank e o memorando de entendimento para cooperação entre o Banco do Brasil e o Industrial Commercial Bankof China.

Leia também: Em nota, Temer diz que Funaro é um criminoso sem credibilidade e critica delação

Além disso, Brasil e China firmaram 14 atos internacionais. Três deles são acordos bilaterais entre os dois governos e os outros são acordos privados e interinstitucionais, que podem gerar negócios e investimentos futuros no Brasil.

*Com informações da Agência Brasil – A repórter Ana Cristina Campos viajou a convite do Centro de Imprensa China-América Latina e Caribe