Tamanho do texto

Protesto contra a alta dos combustíveis, porém, não prejudicou o presidente, que se locomoveu do aeroporto até evento em fazenda com um helicóptero

Michel Temer chega a Mato Grosso em meio a protesto de caminhoneiros contra a alta no combustível
Divulgação/Twitter/Michel Temer
Michel Temer chega a Mato Grosso em meio a protesto de caminhoneiros contra a alta no combustível

Nesta sexta-feira (11), o presidente da República, Michel Temer (PMDB), chegou em Mato Grosso para a sua primeira visita ao estado, desde que assumiu o mandato em julho do ano passado. O peemedebista, porém, foi recepcionado por um protesto de caminhoneiros. 

A manifestação repudia o aumento no preço dos combustíveis, decretado pelo governo federal. Na época do anúncio da alta, no final do mês passado, Michel Temer disse tranquilamente que não estava preocupado com uma reação do povo brasileiro: "A população brasileira vai entender", disse

Em uma reação expressiva de 'não-compreensão', os caminhoneiros bloquearam, nesta sexta, um trecho da BR-163, em Lucas do Rio Verde, a 360 km de Cuiabá. Segundo a concessionária que administra a rodovia, o trecho no km 686 foi fechado às 6h.

O protesto, no entanto, não atrapalhou a visita de Temer, que está no estado para participar do lançamento da colheita de algodão e da inauguração da primeira usina exclusiva de produção de etanol de milho do país, no município de Lucas do Verde.

Ao lado do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e de outros políticos mato-grossenses, o presidente desembarcou no aeroporto de Sinop, pela manhã e foi recebido pessoalmente pela prefeita da cidade, Rosana Martinelli (PR). 

De lá, os visitantes foram de helicóptero até a Fazenda Boa Vista, onde acontece o evento. Não houve nenhum discurso de Temer durante o lançamento da colheita de algodão. De acordo com a Globo News , o presidente também se deslocou de um compromisso para o outro de helicóptero.

Leia também: STF dá cinco dias para que Temer explique aumento dos combustíveis

Alta nos combustíveis

O governo anunciou uma elevação das alíquotas do PIS/Cofins sobre combustíveis e anunciou um corte de R$ 5,9 bilhões de despesas que estavam previstas no Orçamento deste ano. Segundo nota enviada à imprensa pelo Ministério da Fazenda, o aumento do imposto "é absolutamente necessário tendo em vista a preservação do ajuste fiscal e a manutenção da trajetória de recuperação da economia". 

Leia também: Governo eleva imposto sobre combustíveis para alcançar meta fiscal de 2017

A decisão foi oficializada por meio de um decreto assinado pelo presidente Michel Temer. Com o aumento do PIS/Cofins, a equipe econômica prevê uma receita adicional de R$ 10,4 bilhões em imposto . Nas contas do governo, a maior parte desse valor virá da gasolina , com arrecadação estimada em R$ 5,1 bilhões. Até o momento, R$ 0,38 por litro do combustível era voltado para o pagamento do tributo. Com a mudança, os consumidores pagarão R$ 0,79 por litro.

* Com informações da Agência Brasil.